Barlavento Tarrafal de São Nicolau

Tarrafal de São Nicolau foi criado em 2005, quando o antigo Concelho do São Nicolau foi dividido em dois, passando a parte sudoeste a ser chamada Concelho de Tarrafal de São Nicolau, e a parte nordeste a ser chamada Concelho de Ribeira Brava.
Órgãos Eleitos 
Contactos
Contexto histórico
Situação Socioeconómica
Actividades Económicas
Turismo
Ambiente
Cultura
Género
Órgãos Eleitos 
Órgãos Eleitos 
 
Constituição da Câmara Municipal do círculo eleitoral de Tarrafal de São Nicolau 
 
José Freitas de Brito
Dircilena Cabral Duarte
Adildo Soares Gomes
Adir da Graça da Cruz
Doris Silva Soares
 
Constituição da Assembleia Municipal do círculo eleitoral de Tarrafal de São Nicolau 
 
Raimundo Ramos Francês - MPD
Aliandra Ramos Soares - MPD
Manuel Gomes Fernande - PAICV
Elton Martiniano Cabral Sequeira - GRIDT
Simoni José dos Santos Soares - MPD
Diná Silva Rodrigues Timas - MPD
Landerleia Maria Almeida Rodrigues - PAICV
Odair Duarte dos Santos - MPD
Benvinda Francisca Silva Soares - GRIDT
Silvania Gomes Silva - MPD
Aznel Wilson Gómes - PAICV
Ângelo António Brito Duarte - MPD
Odális Cabral Araújo - MPD
Contactos
Contactos

 

Endereço: Cidade do Tarrafal

 

Telefone: (+238) 938 56 31

Contexto histórico

Contexto histórico do Município

Deduz-se que o surgimento e desenvolvimento de Tarrafal deveram-se às condições privilegiadas do seu ancoradouro, e às especiais condições da pesca nas imediações.

Em 1886, José António de Carvalho, solicitou e foi-lhe concedido uma licença para construção de um barracão na praia de Tarrafal para abrigo de embarcações e utensílios de pesca.Nas duas primeiras décadas do Séc.. XX, a população de Tarrafal, se resumia a uns poucos habitantes, constituídos essencialmente por pastores e pescadores fortuitos que desciam das zonas altas para temporadas de pesca. Alojavam em Grutas e casebres muito precários.

José Gaspar da Conceição (Por portaria n.º 242 de 20/11/1896, publicada no B.O. n. 48 do mesmo ano, foi lhe aforado a Praia do Porto do Tarrafal, para abrigo de embarcações miúdas e utensílios de pesca da Baleia) fora um dos primeiros a se estabelecer no local, vindo do interior do Concelho, para se dedicar à pesca da baleia, cujo óleo vendia ou trocava por canoas americanas, utensílios e apetrechos de pesca, - anzóis a arpões, fisgas, etc. que comercializava. Por volta de 1919/1920, uns Espanhóis instalaram-se em Tarrafal, conhecido pela abundância de peixe, para se dedicarem à conserva de peixe em Salmoura, que pretendiam exportar para Espanha, onde era muito apreciado. Desenvolveram essa atividade durante cerca de dois anos, nas instalações outrora pertencentes a José Gaspar. Da noite para o dia, desapareceram sem deixar rastos.

Vindo de Tarrafal de Monte Trigo, António Assis Cadório, comerciante, natural de Salvaterra de Magos, instalou-se em Tarrafal com seus equipamentos para produzir conservas, efeito para o qual contratou sucessivamente pescadores vindos da Madeira, para introdução de novas modalidades de pesca, no intuito de elevar a produção.

Construiu uma unidade industrial, á volta da qual aldeia, continuou seu desenvolvimento.

Mais tarde, em 1931, a revolução falhada dos deportados do regime instalado em Portugal, realizada em 4 de Abril desse ano na Madeira ditaria nova deportação, desta vez para Cabo Verde, e a ilha de São Nicolau foi a escolhida. Foram divididos em dois grupos, um dos quais foi encaminhado para Tarrafal, onde, por não existir qualquer infraestrutura que pudesse acolher o grupo, foram mandados erigir alpendres, com material pré-fabricado, importado da Alemanha.

“Instalados em barracas de madeira, de boa construção, suspensas no ar, assentes em pilastras de um metro de altura. Têm o jeito de "bungalows" ingleses. Foram construídas na Alemanha e tinham ido para Cabo Verde, quando da tentativa da fundação de um Campo de Concentração na Ilha de São Nicolau (Excerto de Tarrafal, o pântano da morte, de Cândido de Oliveira).

Documentos referenciados por João Lopes Filho, dão conta que em 1841, existiam portos de menor importância, como é o caso da baía de Barril. Era utilizado no apoio à frota interinsular, mas sobretudo aos veleiros que mantinham ligação com Santa Luzia. Mereceu também a dotação de um posto fiscal da Alfândega, cuja vaga esteve durante muito tempo por preencher, foi ocupado apenas em 1881. Ainda nesse ano, foi nomeado o Sr. Francisco José do Rosário, para exercer o cargo de guarda-fiscal.

Manteve, apesar disso, importância reduzida, e foi desativada devido ao crescente do calado dos navios, mas sobretudo à inexistência de vias de acesso que permitissem ligação ao resto do Concelho. Outrora considerada uma aldeia piscatória, Tarrafal de São Nicolau veria a conhecer um acelerado desenvolvimento, que a levaria à categoria de Vila no início da década de noventa.

 
Criação
 
O Município de Tarrafal é o mais novo Município de Cabo Verde criado em 2005, através da lei n.º 67/VI/2005, integrado por sete zonas – Fragata, Ribeira Prata, Praia Branca, Tarrafal, Cabeçalinho, Hortelã, Palhal e Ribeira dos Calhaus. Resultou da desanexação de parte do território do Concelho de São Nicolau, que passou a denominar-se Concelho da Ribeira Brava.
 
Localização geográfica
 
O Concelho de Tarrafal de São Nicolau situa-se na parte ocidental da Ilha de São Nicolau, resultante da desanexação de parte do anterior município de São Nicolau. Ocupa a parte Sudoeste da ilha de, com cerca de 42 km de costa e o maior cumprimento de cerca de 22,5 km, no sentido Sul/Norte, com uma superfície total estimada de 120 Km2.
 
 
População
 
Segundo o INE em 2010, o município possuía uma população de 5260 habitantes sendo 2743 do sexo masculino e 2517 do sexo feminino, e de acordo com os dados de   projeções desta mesma fonte para o ano de 2017 a população deste município ascendeu o total de 5525 sendo que 2716 são masculinos e 2508 femininos.
Situação Socioeconómica

Situação Socioeconómica

O Município do Tarrafal de São Nicolau tem sido alvo de rápidas mudanças estruturais em função da dinâmica de crescimento, sobretudo após a sua elevação à categoria de município, determinada pela crescente procura de bens, serviços e emprego, agravadas pelas demandas de infra-estruturas básicas, necessárias ao bem-estar da população, nomeadamente no que diz respeito à educação, saúde, habitação, transporte, saneamento básico e lazer.
 

Habitação 

A situação de habitação no concelho é relativamente confortável; Mais de 90% das habitações são casas individuais, sendo que uma percentagem acima de 70% ocupa residência própria. O censo 2010, registou apenas três casos de pessoas a residirem em barracas e uma pessoa a viver em contentor. À data do inquérito, (junho 2010), apenas 7 (sete) moradias tinham a autarquia como proprietária, moradias essas que acabaram cedidas aos ocupantes.

Não se registava os níveis de degradação habitacional de outras paragens do país, como barracas, bairros de lata/bidão/madeira, ou mesmo contentores, mas até há bem pouco tempo, eram visíveis moradias sem casas de banho, eletricidade e água canalizada; Durante anos, verificou-se a coabitação de pessoas e animais, em alojamentos sem condições sanitárias adequadas. (dados perfil 2012)

De forma geral, em alguns os bairros da cidade, ainda se verificava  a presença de habitações com condições precárias, nomeadamente no que se refere à inexistência ou existência de cozinhas e casas de banho precárias, havendo uma sobrelotação de indivíduos por agregado e compartimentos, equivalente à média de 1,6 pessoas por divisão de casa, em agregados com compostos por 5,1 indivíduos, superior à média nacional que era de 4,7, segundo o quibb 2007. Prevalece o número de alojamentos com 3 e 4 dependências, situação muito próxima da média nacional.

Apesar do Censo 2010 revelar a melhoria desses indicadores, verificam-se situações de contraste entre habitações de elevado patrão a escassos metros de habitações degradadas.

Segundo dados do Censo 2010, 74% dos alojamentos possuía cozinha, sendo 52 % no interior do alojamento, sendo em Tarrafal de São Nicolau, a proporção de agregados por alojamento é de aproximadamente um por cada unidade.  O rápido crescimento de Tarrafal determinou o esgotamento de lotes para construção que levou a autarquia a solicitar ao governo a afetação de terrenos para expansão urbana, nos quais foram desenvolvidos projetos urbanísticos, destinados a atender às demandas, crescentes, em processo de alienação. (Dados perfil 2012)

 

Água 

Relativamente ao abastecimento de água, a população não carece de falta de água de uma forma geral (segundo o relatório da junta da recursos   hídricos 87,2% da população é servida no que toca ao abastecimento da agua), com uma capacidade de 22l/hab/dia. A distribuição é feita através do sistema de redes chafarizes fontanários e auto tanques.


Saneamento 

Quanto ao saneamento básico nota-se claramente que existe um sistema funcional, mas básico, apesar dos esforços feitos nos últimos tempos para melhorar a situação.

A actual organização da recolha de resíduos resume-se no seguinte:

Cidade do Tarrafal recolha de lixo: Segunda feira, quarta feira e sexta feira;

Localidades de Hortelã, Caldeira e Cabeçalinho recolha de lixo: Terça feira;

Localidades de Praia Branca recolha de lixo: Terça feira e quinta feira;

Ribeira Prata recolha de lixo: Terça feira.

Antes, no Tarrafal de São Nicolau, sempre que havia disponibilidade de uma viatura ligeira da Câmara recolhia-se garrafa nos bares uma vez por semana, para serem trituradas e depois enterradas nas lixeiras, mas neste momento as garrafas vão no lixo geral por falta de viatura para recolha seletiva.

A distância da ultima zona da cidade (zona de Escada) a Norte, até à lixeira municipal é de 5418m.

A recolha do lixo é feita num camião de lixo, mas quando esta avaria a recolha é feita em camiões de caixa aberta da Câmara ou de particulares.

Neste momento o lixo continua a ser queimado na lixeira.

Não existe a descarga numa lixeira controlada dos resíduos produzidos pela indústria conserveira. Recentemente a fábrica do Tarrafal começou a depositá-los na lixeira local oficial.

Os resíduos hospitalares do tipo infecioso são recolhidos separadamente e levados para a lixeira oficial onde são incinerados. Os outros resíduos não infeciosos são recolhidos durante a recolha normal.
 

Saúde 

A Delegacia de Saúde de São Nicolau, situada na vila de Ribeira Brava, cobre toda a população da ilha incluindo a do Município do Tarrafal.

A delegacia de saúde possui:

Um laboratório de análises clínicas; 

Um serviço de radiologia;

O Centro de Saúde do Tarrafal, com uma capacidade de 22 camas para o internamento de pacientes, é dirigido por 1 (um) médico residente.

Do Centro de saúde do Tarrafal, depende o Posto Sanitário:

Praia Branca;

Depende também deste Centro as Unidades Sanitárias de Base:

Hortelã;

Ribeira Prata;

Os Postos Sanitários prestam cuidados de saúde curativos, fornecem cuidados de saúde no âmbito do programa de saúde reprodutiva e estão sob a responsabilidade do enfermeiro residente.

Para além do enfermeiro, o posto sanitário da Praia Branca tem um agente sanitário de base e um servente, enquanto o da Fajã conta apenas com um servente e um auxiliar de PMI/PF (programa materno infantil/planeamento familiar).

As Unidades Sanitárias de Base estão sob a responsabilidade dos Agentes Sanitários.

 

Educação 

O Município do Tarrafal de São Nicolau possui uma estrutura educativa local bem organizada, baseada numa rede de escolas espalhadas por quase todas as localidades do Concelho, garantindo à população maior e melhor acesso ao ensino e como tal ao conhecimento e ao saber.

Segundo o Anuário da Educação para o Ano de 2012/2013, no Município do Tarrafal de São Nicolau os indicadores de educação traduziam-se no seguinte:

788 alunos foram matriculados em 6 escolas do ensino básico com 22 turmas distribuídos por várias localidades do Município da Ribeira Brava;

492 alunos foram matriculados no ensino secundário na Escola Secundária Pedro Corsino Azevedo na Cidade do Tarrafal.

 

Pobreza

A crise económica tem vindo, desde 2008, a diversificar a pobreza e a acentuar as desigualdades sociais, na medida em que muitas famílias têm ficado sem emprego e, consequentemente, sem os meios de subsistência. Embora limitada pelas dificuldades financeiras, a Câmara tem orientado as suas ações para as populações mais afetadas, garantindo-lhes o acesso às necessidades básicas, nomeadamente de saúde, educação e formação profissional.

Vem promovendo ações de informação, sensibilização e de assistência às famílias-alvo, mas também de formação e capacitação de jovens e mulheres chefes de família, orientando-os para o mercado de trabalho, ou então para a criação do autoemprego, com vista à sua inclusão nas dinâmicas sociais e económicas da ilha.

As ações de promoção e equidade nas acessibilidades são extensíveis às comunidades imigrantes, garantindo-lhes o direito ao bem-estar social, mas também estimulando-as a cumprir com as suas obrigações, engajando-se no processo de desenvolvimento. Além de atividades de promoção da sua cultura, foi também criada, em 2009, uma estrutura municipal (o Gabinete de Apoio ao (E)Imigrante), cujo objetivo é assegurar-lhes o apoio necessário à sua efetiva integração socioeconómica.

 De acordo com os dados INE 2016 58, 3% da população é pobre.

Actividades Económicas

Atividades económicas

Tarrafal a sede do município surgiu e desenvolveu-se à volta da actividade pesqueira e da indústria conserveira de tunídeos, se bem que outros sectores ganharam expressão;

Sua economia é caracterizada essencialmente por disfunções de carácter estrutural associadas à escassez de recursos naturais, à fraca concentração de capital, carência de recursos humanos qualificados, intimamente relacionados à sua condição de Concelho pequeno, novo, inserido numa ilha considerada periférica e ao fenómeno migratório.

Suas principais vocações, identificadas como sendo a pesca e o turismo e a agro-pecuária, encontram-se por explorar.

A produção do Concelho está fortemente dominada pelo sector primário, assumindo a agricultura, a pesca e a pecuária papéis de destaque. Com excepção da actividade industrial que se restringe basicamente à conservação do pescado, todas as outras são exploradas em regime familiar de subsistência e caracterizadas por fragilidades acentuadas.

 

Agricultura

Apesar das secas cíclicas e prolongadas que têm assolado a Ilha de São Nicolau, e consequentemente o Município de Tarrafal, este continua a deter uma forte vocação agrícola. Considera-se que cerca de 28% dos seus habitantes, correspondente à população rural, dedica se ou depende essencialmente desta atividade para sobreviver. Das áreas cultiváveis, uma significativa maioria situa-se em encostas, e pequenas parcelas em achadas e leitos de ribeiras. 

Não obstante tratar-se de agricultura de auto-suficiência, continua-se a praticar na ilha dois tipos de exploração agrícola: a de regadio e a de sequeiro. 

As culturas irrigadas caracterizam-se pela sua pequena superfície, bem como a sua dispersão nos espaços hortícolas. O Vale de Fragata/Ribeira Prata é onde esse tipo de Agricultura é praticado com maior expressão a nível do Concelho, a par de pequenas explorações em Espigão (Hortelã), Palhal e Ribeira dos Calhaus, e de um pequeno perímetro na Cidade do Tarrafal.

 

Industria 

Atividades industriais existentes no Município limitam-se basicamente a uma unidade de transformação de pescado, na Vila do Tarrafal, e a pequenas unidades de carpintaria e marcenaria, reparações mecânica e panificação.

A transformação de pescado é reconhecidamente aquela de maior impacte no desenvolvimento do município. Com mais de 75 anos de existência, foi objeto de um processo de modernização, detentora de enorme prestígio, tradição e reconhecido know-how; De capital nacional, constitui uma unidade de sucesso, à volta da qual uma qualificada mão-de-obra se formou, esta que se pode considerar mais-valia local.

Em decorrência da escassez de matéria-prima, de falta de capacidade de armazenagem, agravada pela parte as infraestruturais em São Vicente que lhe davam suporte, a fábrica jamais conseguiu operar com à capacidade plena, estimada em cerca 15 a 18 toneladas/dia.

Absorve cerca de 150 empregos diretos nos períodos de pico de laboração, correspondente a 4 % da população da cidade. Porém, considerando os empregos indiretos, associadas às famílias dependentes de tamanho médio 4,1, concluiremos que a contribuição dessa unidade para o desenvolvimento da cidade é significativa.

Importa referenciar que o produto da SUCLA, ostenta potencial para se assumir como produto regional, logo, ocupar nichos de mercado de elevado valor no mercado externo.

Funciona sazonalmente, ainda assim, abaixo das suas capacidades devido à escassez de matéria-prima.

Considera-se que a gestão empresarial constitui um sério entrava à afirmação das unidades, excetuando a fábrica SUCLA, as oficinas de carpintaria, marcenaria e reparações mecânicas, panificadores e outras são geridas de forma empírica, quase sempre pelos proprietários, sem qualificações adequadas à correta gestão em base empresarial.

Verifica-se algum incremento da atividade de construção civil, se bem que, praticada de forma autónoma, excetuando as grandes empresas que se instalam ocasionalmente para atuarem nas grandes obras públicas;

 

Comercio 

É de salientar a existência de actividades comerciais pouco significativas, com destaque para as pequenas casas comerciais, minimercados, venda a retalho, serviços de restauração, etc. 

 

Pesca

A distribuição da população na Ilha foi fortemente influenciada por factores de ordem geográfica, mas também económica. 

Sendo a Pesca uma actividade económica, ela terá contribuído certamente para a fixação da população no litoral do Tarrafal. 

De entre as actividades que têm vindo a assumir um papel cada vez maior no desenvolvimento socioeconómico do município, destaca-se a pesca, não só pelo número de pessoas que emprega directa e indirectamente, mas também pela sua contribuição no tocante ao enriquecimento da dieta alimentar da população. 

É na Cidade do Tarrafal que se localiza a fábrica de conservas de pescado SUCLA. Pratica-se a Pesca Artesanal e Semi-Industrial, essencialmente por métodos.

Turismo

Turismo

 O Município de Tarrafal de São Nicolau apresenta grandes potencialidades turísticas nos mais variados domínios, ainda que pouco exploradas. Refira-se por exemplo, a beleza e diversidade das suas paisagens, às qualidades medicinais das areias, à pesca desportiva e desporto náuticos e ao Parque Natural de Monte Gordo.
 

Atrativos Turísticos Naturais

A Ilha de São Nicolau e especificamente o Município de Tarrafal, constitui um património natural único, com características bem diferenciadas relativamente às outras ilhas do arquipélago. 

Tais especificidades devem-se essencialmente à variedade dos seus mais diversos estratos climáticos, que vão desde áridos, semi-áridos, semi-húmidos e húmidos que contribuem não só para que ela seja uma ilha com uma grande riqueza e diversidade biológica mas também em termos de diversidade paisagística muito peculiar.

O espectro climático confere-lhe uma biodiversidade própria, em que se destaca a maior parcela do Parque Natural de Monte Gordo, os vales de Fragata e Ribeira Prata. A preservação de importantes componentes da diversidade biológica do município deve ser equacionada no sentido de um melhor aproveitamento das potencialidades identificadas, aparecendo o turismo de montanha, o ecoturismo e o turismo científico como as atividades que potencialmente poderão tirar um melhor proveito deste recurso.

 

Parque Natural de Monte Gordo

O Parque Natural Monte Gordo representa a amostra mais representativa dos ecossistemas húmidos de montanha da Ilha de São Nicolau e um dos mais importantes ecossistemas de agricultura de sequeiro de Cabo Verde. Abrange desde os estratos bioclimáticos áridos, na parte sul do Monte Gordo e os sub-húmidos a nor-nordeste até o cume do mesmo que está a 1312 metros de altitude.

Interessantíssimos desenhos naturais, cobertas por vegetação rasteira, cravejado de exemplares de espécies endémicas.

Ribeira de Calhaus é a mais importante das ribeiras. Rodeada por montanhas caprichosamente entalhadas pela acção do tempo, com ruínas das casas que um dia foram habitadas. As áreas agrícolas são das mais férteis da região e apesar de hoje estarem abandonadas, na época das chuvas apresentam um cenário bucólico, com água fresca vinda do interior das montanhas, árvores frutíferas, e as escarpas que descem cada uma vinda de diferentes direcções, e se entrelaçam no fundo, unindo-se nas ribeiras. 

O Parque Natural de Monte Gordo, bem como na zona que fica dentro do Município de Tarrafal, é dotado de uma variedade relativamente grande, de raros tipos de habitats, entre os quais uma vasta extensão de habitats de Tortolho (Euphorbia tuckeyana), o Dragoeiro (Dracaena draco), considerada uma espécie endémica de Cabo Verde, bem como a Macela do Gordo (Napliu smithii), uma espécie endémica, encontrada apenas nesta Reserva Natural. 

A vegetação actual do Parque é dominada principalmente por árvores tais como Pinus sp., Eucalyptus sp. e Cupressus sp., sobretudo na vertente N-NE. Pequenas áreas são ocupadas por outras espécies florestais, nomeadamente Acacia sp. e Grevillea robusta, sobretudo na vertente S-SW. 

Finalmente deve-se destacar a alta diversidade e a complexidade natural da área, resultantes das inúmeras combinações entre tipos de relevo, altitudes, características topográficas, substrato rochoso, solos e cobertura vegetal natural. 

É um território com endemismos, refúgios ecológicos e espécies ameaçadas de extinção, exibindo uma orografia espectacular, o que caracteriza uma paisagem exuberante e bastante atractiva para um Turismo de Natureza que se quer sustentável.

 

Carbeirinho

Carbeirinho, situado na zona da Praia Branca, é o resultado dos caprichos da natureza e a beleza deste sítio é tão rara que foi eleito uma das 7 maravilhas de Cabo Verde . 

Zona localizada no Município do Tarrafal de São Nicolau, a 16km da estrada que liga Tarrafal a localidade da Praia Branca, donde deverá seguir a indicação da placa que aponta para a estrada de terra batida à esquerda. A viagem dura menos de dez minutos de carro e aproximadamente vinte minutos a pé. Carbeirinho é um dos principais pontos de lazer e caracterizada pela sua larga gruta que serve de abrigo aos que pretendem desfrutar de uma das mais belas paisagens marítimas da ilha de São Nicolau

Pode ser considerado um capricho da natureza, uma obra-prima esculpida pela constante ação dos elementos sobre a paisagem, mas seja qual for o desígnio que ditou a sua formação, o homem agradece e curva-se perante tanto e tão incomum beleza natural.

Conhecido de pouca gente, é hoje um dos grandes atrativos paisagístico do Concelho do Tarrafal de São Nicolau.

 

Vale da Ribeira Prata

É um vale de relevos montanhosos com características únicas, detentor de uma paisagem de enorme grandeza e beleza, onde a convivência do homem e da natureza se conjuga numa harmoniosa simbiose. É nestas montanhas onde se encontra a famosa ‘Rocha Scribida’ que se supõe ter sido escrita por piratas. Trata-se dum local de visita obrigatória por parte de visitantes, devido à sua beleza e grandeza

Baía do Tarrafal

 A Baía do Tarrafal situa-se na costa oeste da Ilha e encontra-se limitada pela Ponta da Pedra Vermelha a Noroeste e pela Ponta Cacimba a Sudeste. O núcleo principal da vila do Tarrafal situa-se junto do litoral, nas imediações da Ponta do Tarrafal, saliência rochosa e baixa situada na transição do litoral que corre do sudeste para o sul . 

O litoral da baía é formado por trechos de diferentes naturezas, encontrando-se praias de areia preta, faixas de calhau e trechos rochosos.

A Baía de Tarrafal constitui um importante atractivo turístico devido à sua beleza e às suas condições naturais de abrigo e navegabilidade.

Zonas costeiras

As zonas costeiras, ainda que pouco exploradas apresentam grandes potencialidades turísticas nos mais variados domínios. Refira-se por exemplo, a beleza e diversidade das suas paisagens costeiras nomeadamente as praias do Barril, Praia da Luz, Praia de Francês, Baia de Papagaio, Praia Debaixo de Rocha, Baia de Focado .As praias desta região são conhecidas pelas qualidades medicinais das suas areias, existindo uma tradição antiga de deslocação de pessoas de outras ilhas para ali realizarem tratamentos, sobretudo as que padecem de doenças reumáticas.

A região possui ainda um grande potencial noutros desportos náuticos, com especial relevo para o mergulho de observação e a caça submarina, que se podem praticar em toda a orla costeira e ainda nos vizinhos ilhéus Raso e Branco.

Ambiente

Ambiente

 A gestão ambiental ao nível local é efetuada pelo município através dos serviços de ambiente e saneamento, auxiliado por um conjunto de normas e planos que regem segundo as leis nacionais em matéria ambiental.

O Plano Ambiental Municipal, elaborado no âmbito do II Plano de Acão Nacional para o Ambiente (PANA II), afigura-se como um documento de extrema importância na gestão ambiental ao nível do município a par do Código de Posturas Municipal, do Plano Diretor Municipal que determina a vocação dos solos e a sua utilidade, do Plano de Recolha e Tratamento dos Resíduos Sólidos e do Plano Diretor para as Águas Residuais (em busca de financiamento).

As ONG’s de cariz ambiental também possuem um papel importante na gestão ambiental, pois conseguem afetar recursos que possibilitam a implementação de pequenos projetos junto das comunidades vulneráveis, visando a sua sensibilização para as questões ambientais.

Cultura

Cultura

O Concelho do Tarrafal de São Nicolau tem uma grande riqueza cultural tanto material como imaterial.
 

Atrativos Culturais Materiais (Património natural e construído)

Cidade do Tarrafal

Esta cidade desenvolveu-se no seguimento da construção do porto de pesca e do comércio em meados dos anos 80 Atualmente, este porto suplantou o da Preguiça no Concelho da Ribeira Brava e é o local de implementação do maior empregador do concelho, que é a Fábrica de Conserva de peixe SUCLA. 

É uma cidade agradável e em franco desenvolvimento e um dos lugares mais visitados pelos turistas e principalmente por iates que cruzam o oceano atlântico.

 


Farol do Baril e ex-colónia prisional portuguesa 

Documentos referenciados por João Lopes Filho dão conta que em 1841 existiam portos de menor importância, como é o caso da Baía de Barril O Farol de Baril era utilizado no apoio à frota interinsular, mas sobretudo aos veleiros que mantinham ligação com Santa Luzia.A colónia prisional de Tarrafal de São Nicolau surgiu despois do ano de 1931. A Revolução falhada em 4 de Abril desse ano na Madeira ditaria a deportação de insurgentes para CaboVerde e a localidade de Tarrafal da Ilha de São Nicolau foi a escolhida

 

 

Atrativos Culturais Imateriais

O Concelho tem uma grande riqueza cultural em termos de manifestações ligadas às artes – música, danças tradicionais e artesanato. Figuras importantes da cultura nacional como o músico Paulino Vieira e a escritora Leopoldina Barreto são originárias deste concelho.

São muitas as tradições culturais, com destaque para as festas tradicionais e de romaria (caracterizadas por numa simbiose perfeita entre o religioso e o profano), a gastronomia, as tradições orais, etc.

O Concelho do Tarrafal de São Nicolau encarna no seu seio todo um conjunto de tradições, manifestações culturais e modos peculiares de fazer determinadas artes e produção de objectos de valor etnográfico, na forma de utensílios do uso quotidiano de grande valor educativo, ou seja, existe um conjunto de heranças culturais que têm conseguido sobreviver através das gerações. Isso lhe concede um estatuto de perpetuador de testemunhos e sentimentos de pertença da cultura de Cabo Verde, pelo que se destaque enquanto verdadeiro espaço de educação, recriação e partilha cultural e preservação da memória colectiva local da nação cabo-verdiana, à semelhança do vizinho Concelho da Ribeira Brava, com o qual reparte algumas artes, de que se destacam: a arte de confecção artesanal e tradicional de ferramentas e instrumentos ligados à agricultura e pecuária, a produção de grogue de boa qualidade, a arte da cestaria e a produção artesanal de tambores para as festas populares da lha.

 

Festas Tradicionais

As romarias realizam-se ao longo de quase todo o ano, e proporcionam ocasiões e locais de encontro de gentes de toda uma região que acorrem para conviver.

Destacamos as romarias de S. Francisco de Assis, realizadas no Iº Domingo de Outubro na Cidade do Tarrafal, a mais concorrida do Município, não só pelos aspetos religiosos como pelas actividades lúdicas que a integram. Do programa consta sempre uma parte religiosa (com missa, procissão e sermão), seguida de diversões, banhos de mar, folias animadas com foguetório e grogue.

No Concelho do Tarrafal as festas de São João, São Pedro são ainda motivo de animada e concorrida concentração de festeiros, com destaque para a famosa festa de S. João no povoado da Praia Branca.

 

As Romarias e festas tradicionais municipio

• Reis 6 - Janeiro Ribeira - Prata;

• S. João  - 24 Junho - Praia Branca;

• S. Francisco - Iº Domindo de Outubro - Cidade do Tarrafal

• Santa Cruz  - em Palhal - 3 de Maio

• São Martinho  - em Cabeçalinho;

• Santo António  - em Ribeira Prata - 13 de Junho

• São Pedro  - Cidade do Tarrafal - 29 de Junho

 

Artesanato

No Município do Tarrafal de São Nicolau encontram-se diversos tipos de objectos de cestaria (principalmente nas zonas de Fragata e Ribeira Prata), que essencialmente consistem num entre cruzar das tiras, de folhas de coqueiro, varinhas de verga, “canas de cariço”, varas de alguns arbustos como: jardineira, “barnedeira”, marmeleiro, etc. confeccionando apetrechos domésticos de diversa utilidade tais como balaio, canastra, sapateira, balaio de “tentê”, etc., trabalhos que vão resistindo no tempo e que se mantém manuais e artesanais. 

Para além desses produtos acima referidos podemos destacar trabalhos em coco. Existem também algum artesanato em pedra nomeadamente moinhos de mão, pilões, que são destinados à utilização comum.
 

Gastronomia

A gastronomia do Tarrafal assim como em toda a Ilha de São Nicolau é rica em tradição. A sua especialidade é o “Modje São Nicolau”, um caldo de carne cabrito capado e legumes (mandioca, banana verde, batata, abobara, inhame, tudo cortado aos cubos). Este prato é muito utilizado nas festas de casamentos, onde é acompanhado com “xerém” feito a partir de milho. Destacam-se também pratos como a “Cachupa Rica” considerado o prato nacional, “Caldo de Peixe”, “Xerém”, “Cuscuz”, “Ralon” “Papas de milho moído servidas com leite”, “Milho em Grão” e “Farinha de Pau” (farinha de mandioca), assim como diversos pratos de peixe sempre fresco e saboroso, sem esquecer os mariscos e o atum enlatado que é de grande qualidade.

Nos restaurantes e bares são servidos pequenas porções de marisco conhecidas como “bafas”, muitas vezes como entradas ou petiscos.

Os doces tradicionais como o de goiaba, papaia, coco, batata-doce, abobara, leite, entre outros, merecem destaque especial. Os bolos têm um espaço importante, assim como o queijo branco de cabra.

 

Música

A canção “Sodade”, celebrizada por Cesaria Évora, escrita nos anos 50 do século passado, que tenta transmitir as saudades daqueles que deixavam a ilha em busca de uma vida melhor, na sequência das grandes secas e fomes, rumo às roças de São Tomé, é sem dúvida a pérola da música do Municipio do Tarrafal e de São Nicolau em geral. A morna, a coladeira, a contradança, a mazurka e a polka são também géneros musicais muito apreciados e dançados no concelho há várias gerações.

Género

Género

Dados do Censo 2010 do INE apontam para a existência de uma proporção maior de indivíduos do sexo masculino (52%) em relação aos indivíduos do sexo feminino (48%) no município de Tarrafal de São Nicolau, contrariando o cenário nacional em que a proporção de população feminina é ligeiramente superior à masculina.

Não obstante os progressos alcançados a nível de desenvolvimento económico e social, a pobreza atinge ainda um número significativo de famílias, tendo maior incidência nas famílias chefiadas por mulheres, normalmente com um número elevado de filhos.

De acordo com censo de 2010 o município não possuía na altura um serviço específico que se ocupasse das questões de género ou que atuasse nos domínios da promoção da igualdade e equidade do género, se bem que a condição da mulher, particularmente na cidade de Tarrafal a isso impunha. Programas, projetos de descriminação positiva, ações que visam o empreendedorismo feminino e a formação/capacitação das mães chefes de famílias, capacitação orientada para o apoio na criação de atividades económicas alternativas, recorrendo ao microcrédito, parecem constituir ações de discriminação positiva.

Era incipiente o número de jovens e mulheres com possibilidade de acesso a formação; Sem escola de formação profissional distante das existentes as dificuldades de acesso eram elevadas

Os fatores que bloqueiam o desenvolvimento das mulheres são sem dúvida a sua baixa instrução (a educação é determinante na pobreza e na exclusão social), as influências culturais (o facto das mulheres estarem mais confinadas ao lar), o elevado número de agregados chefiados por mulheres (49,3% - INE Censo 2010) e a desresponsabilização do pai na criação/educação dos filhos. Este cenário acaba determinando que o índice da violência contra as mulheres seja considerável.

O gabinete de atendimento às vítimas de violência baseada no género de São Nicolau foi inaugurado em Dezembro de 2011.

Funciona no comando da PN, onde são feitos os registos que depois são encaminhados para o ICIEG. Segundo o mesmo, alguns casos de violência doméstica são encaminhados para a Polícia Judiciária (PJ) e para a Procuradoria da República.

No plano institucional, o contexto é favorável à igualdade e paridade entre os sexos.

Foi elaborado o Plano Nacional para a Igualdade e Equidade de Género que visa o reforço das capacidades, em particular nos domínios da redução da pobreza, do emprego, da educação sexual e reprodutiva, do exercício do poder e da violência baseada no género.

A nível local, existe a vereação da Promoção Social e Condição Feminina que se ocupa da promoção dos direitos e autonomia das mulheres, estando para breve a elaboração do Plano Municipal para a Igualdade e Equidade do Género com a supervisão do ICIEG.

Além da Câmara Municipal, cujos programas de formação e capacitação são operacionalizados através da Escola Profissional existem outras instituições e OSC que apoiam na promoção da mulher, nomeadamente Morabi no apoio ao microcrédito, a Verdefam na saúde sexual e reprodutiva, e Mão Amiga e Anjos no apoio financeiro e material, a -apoiada na auto-construção e a Âncora no apoio social.

ENDEREÇOSede
LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
REDES SOCIAISLinks
NEWSLETTERSubscreva

    ENDEREÇOSede
    Edif. IFH Bloco C-R/C, Achada Santo António - Praia
    (+238) 262 36 34
    anmcv35@sapo.cv
    Delegação
    Avenida Baltazar Lopes da Silva, Mindelo – São Vicente
    (+238) 353 04 36
    LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
    https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
    REDES SOCIAISLinks
    NEWSLETTERSubscreva

      Visitas desde 15/02/2022: 43536

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology