Barlavento Ribeira Grande de Santo Antão

O Concelho da Ribeira Grande é uma das divisões administrativas mais antigas de Cabo Verde.
Órgãos eleitos
Contactos
Contexto histórico
Situação socioeconómica
Actividades económicas
Turismo
Ambiente
Cultura
Género
Órgãos eleitos
Órgãos eleitos

A Câmara Municipal da Ribeira Grande é constituída por um executivo de 7 membros: o presidente da Camara e seis vereadores. A Assembleia Municipal é constituída por 17 membros eleitos em simultâneo com a Câmara Municipal.
 
À semelhança do que acontece nas outras ilhas não existe estrutura inframunicipal tipo junta de freguesias, mas nas sedes de freguesias existe uma comissão municipal.
 
Constituição da Camara Municipal
 
Orlando Rocha Delgado
Maria de Jesus Nobre Rodrigues
Dirceu José Cruz Lima Rocha
Paulo Luís Rodrigues
Isabel da Conceição Rocha Pires da Luz
Rui António da Costa Silva
Sheila Filomena Fonseca Santos
 
 
Constituição da Assembleia Municipal
 
Leida Helena Maurício dos Santos Freire de Andrade - MPD
Júlio Néstor Lima Medina - MPD
Licínia Maria Leite - ARG
Armindo Santos Cruz - PAICV
Anísio da Circuncisão Nobre Rodrigues - MPD
Perpétua Delgado Ferreira Gomes - MPD
Zenildes Roberto de Jesus Brito Freitas de Andrade - MPD
Feliciano Domingos do Rosário - ARG
Maria Teresa da Cruz - PAICV
Vandira Simone Correia Brito - MPD
António Lázaro Rocha - MPD
Manuel André Lima Gomes - MPD
Lauro Jorge da Ressureição Oliveira - ARG
José Manuel da luz da Cruz - PAICV
Gilda Mariane Santos Monteiro - MPD
Manuel Jesus Fonseca Medina - MPD
Marlene Solange Delgado do Rosário - MPD
Contactos
Contactos

 

Endereço: Cidade da Ponta do Sol

 

Telefone: (+238) 225 11 69

                  (+238) 225 11 79

 

Fax:           (+238) 225 12 26

Contexto histórico

Apresentação sintética do Município da Ribeira Grande

O Concelho da Ribeira Grande com uma superfície de 166 Km² ocupa a parte setentrional da ilha de Santo Antão, desde Lombo de Saudade (fronteira com o Concelho do Paul) a Ribeira dos Paus (fronteira com o Concelho do Porto Novo), no sentido Este/Oeste, de Ponta do Sol à Lagoa, no sentido Norte/Sul, representando este espaço 21% da superfície total da Ilha de Santo Antão.
 
Dominam no Concelho as ribeiras, Vales profundos e altivos, bacias hidrográficas muito bem definidas, designadamente a Ribeira da Torre; Vale da Ribeira Grande que inclui as sub-bacias de Ribeira de Duque, Figueiral, João Afonso, Chã de Pedras, Caibros e Despenhadeiro; Ribeira da Garça; Figueiras e Ribeira Alta, originando uma dispersão populacional muito acentuada.
 
O Concelho alberga cerca de 22 mil habitantes, sendo que cerca de 80% vivem no interior e espaço rural, vivendo essencialmente da agricultura, da pecuária e de prestação de serviço.
 
Efectivamente, mercê da exuberância das suas cadeias de montanha, Vales profundos e verdejantes, diversidade climática e paisagística, das qualidades humanas das suas gentes, designadamente da nossa abertura ao Mundo e do saber receber típico e Morabeza do Homem Santantonense, o Concelho da Ribeira Grande apresenta um potencial turístico de inegável qualidade, nas suas vertentes ecológicas, rurais, culturais, de habitação e de montanha.
 
O Município da Ribeira Grande dispõe de uma rede de serviços básicos de significativo alcance social, particularmente nos domínios da educação pré-escolar, básica e secundária, saúde, abastecimento de água, energia e telecomunicações.
 
Efectivamente, apesar dos elevados investimentos realizados em áreas de prestação de serviços básicos e sociais, persistem ainda grandes constrangimentos de carácter económicos e sociais que afectam significativamente as populações, designadamente às residentes nos meios rurais e no interior do Município, particularmente em estradas e acessibilidades as principais áreas de produção agrícola, no acesso à formação profissional, alfabetização funcional de adultos, acesso ao emprego remunerado e duradoiro, condicionado ainda por uma conjuntura económica desfavorável que não permite o desenvolvimento de actividades económicas sustentáveis e com efeito multiplicador.
 
Com efeito, no domínio da agricultura, a principal actividade económica do Município, regista-se que as práticas económicas ainda dominantes, designadamente uma agricultura intensiva e de subsistência, pouco diversificado, assente quase exclusivamente na monocultura da cana-de-açúcar, muito afectado pela disseminação de pragas e o regime aleatório das chuvas, questões de ordem fundiárias resultantes da própria distribuição e um excessivo emparcelamento da terra que não propiciam o desenvolvimento de actividades economicamente sustentáveis.
 
Em resultado de uma fraca capacidade económica e de investimento do sector privado nos sectores produtivos, o sector público se apresenta como o principal empregador e factor de desenvolvimento social, com efeitos distorcivos e criando vulnerabilidades permanentes na situação social e económica das famílias. Predominam efectivamente, ao nível dos investimentos, pequenas unidades económicas, orientadas para o comércio, com carácter familiar e muito nucleares, sem grandes capacidades de absorção de mão-de-obra, de produção e promoção de empregos sustentáveis.
 
A Câmara Municipal considera de extrema importância a necessidade de criação de um quadro económico reversível, que promova o investimento privado nos sectores produtivos da economia (Serviços, Turismo, Artesanato, Pesca e Agricultura), fortaleça a capacidade de investimentos das micro e pequenas empresas operando no mercado local, que produza efeitos na qualidade e disponibilidade de uma mão-de-obra qualificada, favoreça uma empregabilidade remunerada duradoira e uma redução progressiva das altas taxas de desemprego que ainda se registam no Município.
 
Desde logo sobressai a necessidade de implementação de uma estratégia que focalize como prioridade a formação profissional orientada para as necessidades do mercado, designadamente para as indústrias do turismo, da construção civil e para as áreas de prestação de serviços.  
Situação socioeconómica
Situação socioeconómica
 
Habitação
Segundo os dados do QUIBB para 2007, 70,0% das famílias do Concelho residiam em casa própria, sendo 91,7% em alojamentos individuais, 4,2 em apartamentos. Apenas 9,8 % em casas arrendadas, havendo, no entanto, 19,9% residentes em casas cedidas. Nota-se que o quadro de cedência acontece sobretudo no espaço rural onde o êxodo deixa muitas casas sem moradores.
 
O arrendamento é uma prática com alguma frequência nos centros urbanos, onde habitam funcionários e quadros provenientes de outros concelhos e muitas vezes de permanência temporária, mas geralmente não é habitual nos bairros espontâneos onde cada família constrói a sua residência, sobretudo nos pequenos centros urbanos como é o caso em estudo. 
 
A promoção de bairros sociais é uma prática muito recente ainda em fase embrionária, tanto a Câmara Municipal como as associações comunitárias de desenvolvimento têm promovido a construção da habitação social. As associações de desenvolvimento local têm promovido acções de construção e melhorias de habitação das famílias mais vulneráveis.
 
Quanto a outras condições, tem-se que 41% das habitações tem apenas um quarto para dormir; cerca de 50% tem água canalizada; 72% tem cozinha, dos quais 50% utiliza lenha e 47% gás como fonte fundamental de energia para cozinhar; 31% tem casa de banho ou retrete enquanto 62% não tem acesso a esse bem. Cerca de 80% das famílias não tem fossa céptica pelo que a evacuação das águas residuais é feita ao “redor da casa” ou na “natureza”. 
 
 
Agua
O abastecimento de água constitui um dos grandes problemas de Cabo Verde, tanto no espaço rural como nos centros urbanos. Nos centros urbanos da Ribeira Grande, o abastecimento de água é assegurado pela Concessionária Municipal - Serviço Autónomo de Água e Saneamento (SAAS), que gere a exploração das infra-estruturas de abastecimento de água: captação, tratamento, e distribuição para consumo público.
 
As melhorias registadas, nos últimos anos, permitem às famílias maior acesso à água potável, continuando ainda a haver ciclos de crises associados às dificuldades de abastecimento regular e em água de boa qualidade. De acordo com os dados do Censo de 2010, no concelho de Ribeira Grande, 81% das casas estavam ligadas à rede pública o que representa uma taxa superior aos 54,4% que representa a média nacional. Na mesma data, 67% das casas possuía instalações sanitárias; 49% tinha banheira com duche ou com chuveiro. No entanto apenas 10% estava liga à rede de esgotos e 60% tinha fossa séptica.
 
 
Saneamento
Em regra, não existe uso de materiais inflamáveis como a madeira na construção de habitações, esta prática diminui os riscos de incêndios de grande envergadura ou abrangendo casas em série, mas as ruas obstruídas poderão dificultar a acção dos bombeiros.
 
O baixo nível de saneamento e a permanência de um elevado número indivíduos em espaços exíguos favorecem o alastramento das epidemias nesses bairros, pelo que basicamente deverão ser mobilizados recursos para a melhoria das casas e debelar a situação de pobreza nos bairros espontâneos com a prevalência de condições precárias de habitação, deficiente abastecimento em bens essenciais como água e energia e deficiente recolha de resíduos. 
 
A rede de esgotos continua muito precária nos centros urbanos, dominando o sistema de fossa séptica, sendo em regra, inexistente nas residências das camadas mais pobres da comunidade urbana. Como acontece na maioria das cidades do país existe uma carência de espaços verdes, áreas de lazer e tempos livres.
 
Na Câmara Municipal existe um pelouro responsável pelo saneamento e pela qualidade do ambiente, que responde pelo quadro do ambiente urbano em toda a cidade.
 
 
Saude
A rede de saúde pública está assegurada pelo hospital regional Dr. João Morais, na Ribeira Grande, cinco postos sanitários, respectivamente em Ponta do Sol, Chã de Igreja, Fajã de Matos, Chã de Pedras e Garça, oito unidades sanitárias de base (USB) nas zonas de Boca Ambas Ribeiras, Figueiras, Ribeira Alta, Marrador, Corda, Lagoa, Lombo Branco e Pinhão. Em termos de recursos humanos, o Concelho tem 12 médicos, 25 enfermeiros, 2 auxiliares de saúde reprodutiva, 1 técnico de anestesia, 4 técnicos de laboratório, 2 técnicos auxiliares de farmácia, 1 radiologista e 13 agentes sanitários.
 
No âmbito da saúde pública, tanto os serviços municipais como as delegacias regionais deverão trabalhar em concertação com a estrutura educativa que tem escolas em todas as aldeias. Por esta via a rede do sistema educativo constitui um importante parceiro na promoção da qualidade do ambiente no Município.
 
A delegacia de saúde da Ribeira Grande abrange todo o território do concelho, dependendo administrativamente da Direcção Geral de Saúde. Dispõe das unidades seguintes:
Um Hospital Regional
Três postos Sanitários
Um Centro de Saúde Reprodutiva
Nove Unidades Sanitárias de Base
Hospital Regional Dr. João Morais
 
É um centro de saúde integrado, em que a unidade de internamento se diferenciou, prestando cuidados médicos especializados nas áreas de Pediatria, Cirurgia, Estomatológica e Ginecologia – Obstetrícia. Localizada na Cidade da Ribeira Grande (Povoação), oferece cobertura a todo o concelho da Ribeira Grande e também aos concelhos do Paul e Porto Novo. 
 
Construído em 1994, entrou em funcionamento em 1995 e tem actualmente capacidade para 60 camas:
Medicina – 26 
Pediatria – 12 
Cirurgia – 13
Maternidade – 9
 
Equipado com um laboratório de análises clínicas, um bloco operatório, um serviço de radiologia e um serviço de medicina dentária. Centro de saúde reprodutiva (unidade de PMI/PF) na Cidade da Ribeira Grande.
 
A equipa organiza-se, prestando um serviço fixo e em equipa móvel que se desloca diariamente para as Unidades Sanitárias de Base e às localidades não cobertas por infra-estruturas de saúde. Presta os cuidados de saúde maternos e infantis: cuidados pré-natais, de maternidade sem riscos, cuidados pós natais, e cuidados de saúde de crianças, jovens adolescentes, mulheres, homens na área da saúde sexual e reprodutiva.
3 (três) Postos Sanitários – localizados nas localidades de:
Ponta do Sol 
Chã de igreja
Fajã de Matos
 
Prestam cuidados de saúde primários, diariamente a cargo de um enfermeiro, auxiliado por um Agente Sanitário de Base e um Auxiliar dos Serviços Gerais. O Posto Sanitário serve de referência directa a Unidades Sanitárias de Base da sua área. Pode dispor de uma ou duas camas de observação. Serve de extensão ou de apoio a actividades curativas ou preventivas desenvolvidas pelas equipas móveis, a partir do centro de saúde de referência.
 
Funcionam diariamente com um Agente Sanitário de Base, que desenvolve actividades educativas, promocionais, e preventivas, acções de primeiros socorros e de seguimento de doentes crónicos com tratamento prolongado. Recebem trimestralmente, equipas móveis, para cobertura médica e serviços de saúde reprodutiva. Há Unidades Sanitárias de Base que foram construídas pela câmara municipal (Marrador Corda, Lombo Branco, Lagoa e Chã de Pedras). O salário dos Agentes Sanitários colocados nessas unidades é suportado pela Câmara Municipal.
 
Outras instituições existentes no Concelho da Ribeira Grande:
Existem no Concelho 2 postos de venda de medicamentos, localizados nas Cidades da Ribeira Grande e Ponta do Sol. A não existência dum posto de venda na Freguesia de S. Crucifixo, a mais populosa, limita a eficiência dos cuidados prestados por obrigar as populações dessa Freguesia e da Freguesia de São Pedro apostolo a percorrerem grandes distâncias para aquisição dos medicamentos.
 
Existem ainda um consultório médico privado e um posto de enfermagem localizados na Cidade da ribeira grande.
 
 
Educação
Apesar da dispersão, o município apresenta uma boa cobertura ao nível do ensino básico, obrigatório até a sexta classe, possui uma rede de dez pólos educativos abrangendo a totalidade do seu território. No horizonte de 2010 havia 2676 alunos do ensino básico, distribuídos por 102 turmas em 36 escolas e 10 pólos educativos.
 
Ao nível do Ensino Secundário existem duas Escolas Secundárias funcionando respectivamente na cidade da Ribeira Grande e Coculi. No ano de 2010, a Escola Secundária da cidade tinha 2277 alunos do 7º ao 12º ano. O Concelho não possui estruturas de formação profissional nem Escola Técnica, sendo este sector coberto pela Escola Técnica do Porto Novo. A cidade possui uma residência estudantil que alberga alunos de aldeias dispersas. Existem no município 3 círculos de cultura para a formação de adultos até a 3ª fase.
 
No Concelho da Ribeira Grande o sistema educativo estrutura-se da seguinte forma: o Pré-escolar, o Ensino Básico Integrado e o Secundário. A falta de meios e as grandes distâncias a serem percorridas, normalmente a pé, tem condicionado, muitas vezes, o acesso ou a continuação dos alunos mais pobres no ensino secundário.
 
No que diz respeito a alfabetização, este tipo de ensino está organizado, no concelho, em 13 círculos de cultura, com um total de 160 alunos, ministrados por 18 animadores, formados com 1ª. e 2ª. Fases de professores em exercício do ensino básico.
 
O Concelho necessita de uma escola profissional que dê continuidade à formação dos estudantes que saem do ensino formal e não acedem, por uma razão ou outra, a uma formação de nível médio ou superior. Apesar das dificuldades acima referidas, o santantonense preocupa-se como seu saber e por razões a seguir apresentadas:
 
Uma predisposição da população de Ribeira Grande para a procura incessante do saber para uma melhor gestão dos recursos ambientais.
Existência de escolas do ensino elementar em todas as localidades do concelho garante a massificação da aprendizagem e do saber.
Um potencial humano importante para servir de base a uma política de formação profissional nas mais diversas áreas, nomeadamente das com correlação ambiental.
Uma propensão da população da Ribeira Grande para a cultura, designadamente, nas artes, na música, culinária e noutras formas de manifestação cultural.
Um povo trabalhador, honesto e orgulhoso do seu torrão e das suas gentes.
 
 
Pobreza
A população mais pobre reside na periferia da cidade, em casas mais modestas, de traços simples, geralmente de um piso muito semelhantes às casas rurais. No entanto, não existe um bairro de barracas ou de construções precárias. 
 
O maior constrangimento da Ribeira Grande é a carência de solos para os assentamentos de construção e o seu elevado custo, pelo que as populações com menos recursos ficam nas vertentes ou em área de riscos, como as margens da ribeira, orla costeira ou base de vertentes vigorosas.
 
Não foram identificadas barracas, nem construções de materiais frágeis como madeira, chapa metálica ou cartão tipo “bidonvilles”. As construções espontâneas são dominadas por casas de blocos de cimento e cobertas de betão ou de telha, existindo ainda relíquias de casas cobertas de colmo assim como sobrados da primeira metade do seculo XX, ou mesmo do século XIX. 
Actividades económicas

Actividades económicas

A economia da ilha e do município é caracterizada fundamentalmente por disfunções de ordem estrutural que se prendem essencialmente com a escassez de espaço e de recursos naturais, fraca concentração de capital e baixa valorização dos recursos humanos. 

No domínio da produção esta é fortemente dominada pelo sector primário, com incidência nas actividades da agricultura, pesca e pecuária. Todas essas actividades são exploradas em regime de subsistência e de acentuada fragilidade. Dos 5164 hectares de sequeiro cultiváveis, 46% localizam-se neste município dos quais 95% são explorados com culturas do milho e feijão. Por outro lado, 48% do regadio da ilha está localizado no município da Ribeira Grande. Do regadio disponível cerca de 80% é dedicada a cana sacarina e a produção da aguardente.
 

Agricultura

No cômputo geral da ilha, o município da Ribeira Grande detém 46% das terras cultiváveis em regime de sequeiro que são usadas nas culturas de milho e feijão. As terras de regadio estão concentradas em vales estreitos e em terraços conquistados nas vertentes íngremes, onde os Andros solos constituem parcelas importantes nas terras de regadio. O município detém 48% das terras de regadio da ilha, as principais culturas são a cana sacarina e as fruteiras. A praga de mil-pés (Spinotarsus caboverdus) foi um desastre para as culturas de tubérculos e a ilha ficou de quarentena em relação ao principal mercado do país.

Em 2004, havia no concelho 3237 explorações agrícolas, sendo 411 (12,7%) localizados no meio urbano e 2826 (87,3%) no meio rural. Do total de explorações agrícolas, 2908, isto é 90,5% estavam inseridas no andar sub-húmido, o que é notável em termos de perspectiva de produção. O maior constrangimento liga-se com a reduzida dimensão das parcelas e o risco de destruição pelas enxurradas. As culturas são destinadas principalmente ao consumo familiar; a principal cultura de rendimento é a cana sacarina que é destinada ao fabrico de aguardente.
 

Pecuária

Regra geral, a pecuária na Ribeira Grande é uma actividade complementar da agricultura. Segundo os dados do recenseamento geral de agricultura de 2004 os efectivos pecuários da Ribeira Grande eram pouco expressivos à escala nacional, o que se compreende pelas limitações de ordem topográfica e a incompatibilidade da pecuária com as hortas de regadio. Nesta altura, havia 365 bovinos (correspondente a 44% dos efectivos da ilha); 60 cabeças de ovinos (36%); 8.246 caprinos (34,6%); 3292 suínos (42% do total da ilha). O mesmo censo avalia a existência de 19.328 aves, principalmente galinhas de capoeira ao redor das casas.

Das 3237 explorações agrícolas havidas em 2004, 88% tinha a criação de gado como complemento. A criação do gado, sobretudo, caprinos, aves e suínos, constitui uma importante fonte de proteínas na alimentação e sobretudo uma reserva de recursos financeiros para os criadores.

O município tem potencialidades no domínio da pecuária mas apenas uma pequena parte dos criadores dedicam-se a ela de forma exclusiva; 60% das famílias exploram pequenas criações de (1-2 cabeças) e apenas 5% exploram mais de 10 cabeças.
 

Industria

O sector industrial é incipiente, sendo de realçar para além da produção da aguardente algumas iniciativas no domínio do engarrafamento de água e panificação. 

O sector terciário representa cerca de 50% do VAB do concelho, sendo este representado essencialmente pelo Comércio, Serviços Privados e Públicos, Transportes, Comunicação e Serviços diversos.
 

Comercio

O comércio constitui uma actividade económica de grande animação nos centros urbanos principalmente na cidade de Ribeira Grande, com destaque para o comércio a retalho e informal. 

Predomina essencialmente o comércio a retalho com forte dependência do mercado de S. Vicente, quer no domínio do abastecimento de mercadorias (produtos importados) quer como mercado consumidor dos produtos agrícolas produzidos em Santo Antão.
 

Pesca

A pesca não obstante as potencialidades é explorada de forma artesanal. O rendimento é fraco e emprega pouca gente. Domina a pesca artesanal na orla costeira, com descarga sobretudo em Ponta do Sol, Sinagoga, Tarrafal. 

A estreita plataforma da ilha e a forte tradição rural constituem constrangimentos ao desenvolvimento do sector. Os pescadores costumam fazer campanhas nas ilhas desertas, Santa Luzia e ilhéus Branco e Raso, onde a plataforma é mais extensa, mas constitui uma faina perigosa pela fragilidade das embarcações usadas. No cômputo geral, São Antão é a terceira ilha no volume da pesca artesanal, depois de Santiago e São Vicente.

Turismo

Turismo

O Turismo é um sector em franca expansão, assistindo-se nos últimos tempos a uma forte apetência para investimentos neste sector na Ilha de Santo Anto e no Concelho de Ribeira Grande em particular. 

Todavia a sua dinâmica é ainda fortemente condicionada por factores como os transportes marítimos, baixo nível de capacitação dos recursos humanos, etc. Se se garantir essas condições e ponderar no sentido da exploração sustentada dos recursos ambientais, é de prever que esse sector seja promissor para o desenvolvimento do Concelho.

Apesar das potencialidades em turismo de natureza e rural, tirando partido da beleza cénica dos vales, diversidade da flora endémica e quadro da paisagem rural, a actividade ainda é incipiente faltando sobretudo infra-estruturas de circulação, alojamento e restauração. Existe uma empresa local que organiza actividades de turismo rural com actividades de trekking pelas montanhas e vales. 
 

Atractivos turísticos naturais

Dominam no Concelho as ribeiras, vales profundos e altivos, bacias hidrográficas muito bem definidas, designadamente a da Ribeira da Torre; o vale da Ribeira Grande que inclui as sub-bacias de Ribeira de Duque, Figueiral, João Afonso, Chã de Pedras, Caibros e Despenhadeiro, bem como a Ribeira da Garça, Figueiras e Ribeira Alta, constituem um conjunto impressionante de vales com uma dispersão populacional muito acentuada. 
 

Ribeira Grande

A Ribeira Grande, que ocupa a parte setentrional da ilha, possui uma exposição geográfica para o Nordeste, destacando-se pelo facto do seu território, do ponto de vista bioclimático, e segundo a Carta de Zonagem Agro-Ecológica e de Vegetação, ocupar, quase na sua totalidade os estratos húmido, sub-húmido, e semi-árido (com excepção da zona árida de Cruzinha), o que lhe confere uma vegetação importante no contexto nacional.

O relevo muito acidentado desta região da Ilha, a morfologia, o regime hídrico, a vegetação natural, o património construído, donde se destaca toda a agricultura de regadio armada em socalcos, (numa obra prima de conservação e aproveitamento de solos e água, só comparável às reminiscências das civilizações antigas dos Incas e dos Maias, na cordilheira dos Andes) designadamente dos Vales de Ribeira da Torre, Vale da Ribeira Grande (Figueiral, João Afonso, Chã de Pedras, Caibros, incluídos), o Vale da Garça, Figueiras e Ribeira Alta, constituem um panorama espectacular onde o natural se mistura com o humanizado numa perfeita simbiose que importa defender.

A linha de costa é isenta de praias, mas em contrapartida de grande beleza e espectacularidade, onde as rochas imponentes caem abruptamente sobre o mar e, este, muitas vezes tenebroso, cria um quadro de rara singularidade de luz e de som ao embater nas rochas.
 

Parque Natural de Moroços

O Parque Natural de Moroços ocupa a parte mais alta da bacia do Planalto Leste e está compreendida entre as cotas dos 1.400 e 1.800 metros. Possui uma área de 818 hectares. Dessa área, 71 hectares (8,7%) pertencem ao concelho da Porto Novo e 746 hectares (91,3%) pertencem ao Concelho da Ribeira Grande. A paisagem é fascinante, devido às características geomorfológicas do parque que consistem na existência de encostas escarpadas e rochosas de Cabeceiras da Ribeira da Garça, bem como solos de pozolana, todos atractivos de grande valor para quem aprecia a Natureza.

O coberto vegetal é constituído pela vegetação arbórea maioritariamente formada de espécies exóticas plantadas nos finais da década de oitenta, e pela vegetação herbácea da qual fazem parte 23 taxa endémicos de Cabo Verde, 15 taxa utilizados na medicina tradicional e cerca de uma dezena de taxa forrageiros e outros com importância indeterminada.

O Turismo devidamente organizado, ordenado e controlado poderá constituir outra importante actividade económica com benefícios directos e complementares para os utilizadores da biodiversidade em Moroços. Os endemismos e os contrastes paisagísticos de tonalidades diferentes e em função das altitudes e do grau de humidade atribuem a Moroços um estatuto privilegiado para o desenvolvimento do turismo de campo. A vertente Leste fornece espaços de elevado valor paisagístico que atingem no horizonte as ilhas de São Vicente e São Nicolau e os ilhéus Branco e Raso.

 

Parque natural Cova/Ribeira da Torre

O Parque Natural Cova/Paul/Ribeira da Torre está localizado na vertente setentrional da ilha de Santo Antão nos limites do Concelho da Ribeira Grande, entre os meridianos 25º 2’ e 25º 5’ 30’’ de longitude W e os paralelos 17º 6’ 20’’ e 17º 8’ 30’’ de latitude N. A altitude mínima do parque é de aproximadamente 400 metros na Zona de Xoxó e a altitude máxima correspondente ao Pico da Cruz com cerca de 1.585 metros. Os limites do parque são: a Este - Pico da Cruz/Pêro Dias; a Oeste - Espongeiro; a Norte - Xoxó; a Sul – Cova (ver Ilustração 3).

Na sua flora foram identificados 29 taxa endémicos de Cabo Verde, representando cerca de 60% do total da taxa existentes e 20% da taxa actualmente aceites como endémicos de Cabo Verde. Tendo estas características ambientais únicas em Cabo Verde, para muitos visitantes, esta zona é considerada como um dos mais atraentes espaços naturais do ponto vista ecológico e pode tornar-se num importante centro gerador de actividades alternativas geradoras de rendimentos.

Reserva Natural da Cruzinha

Cruzinha de Garça é uma zona onde desembocam várias ribeiras, entre as quais a Ribeira da Garça e a Ribeira do Mocho. Cruzinha é a única amostra representativa de ecossistema de zonas litorais do Município de Ribeira Grande de Santo Antão.

Situa-se na orla costeira da vertente nordeste da ilha, entre os meridianos 25º 08’ 25’’ e 25º 10’ de longitude W e os paralelos 17º 10’ 30’’  - 17º 11’’ de latitude N. A Reserva Natural de Cruzinha, situada numa zona semiárida, apresenta alguns endemismos de zona árida/semiárida (ver Ilustração 4).

A sua paisagem dunar contrasta com as orlas costeiras, rochosas, em geral escarpadas. Estas zonas escarpadas comportam uma vasta gama de vegetação aplicada em áreas diversificadas, designadamente na alimentação dos moradores e do gado (caprino, bovino, asinino, etc.), e na cura de diversas doenças. Trata-se de uma zona com enormes potenciais naturais que poderão ser aproveitadas para o fomento do turismo baseado na Natureza.
 

Vale da Ribeira da Torre

Uma das ribeiras mais sinuosas de Santo Antão, a Ribeira da Torre é um convite à descoberta de pequenas plantações de banana, ao longo das encostas e propriedades agrícolas familiares ricas e exuberantes (ver Ilustração 5). Da origem da designação Torre pouco se sabe, mas tudo indica que a imponente torre de pedra que se ergue logo na primeira curva, no lugar de Longueira, não passou despercebida aos primeiros povoadores do local. Longueira é, também, o nome de uma das maiores propriedades agrícolas da região. Cana-de-açúcar, banana, mandioca, papaia, bata-doce, são produtos que se podem encontrar aqui, ao lado de árvores de fruta-pão e um dos mais antigos trapiches de aguardente da região.

Atravessada por cursos de água de regadio que desce das encostas, a estrada moderna e asfaltada penetra a ribeira, onde serpenteiam levadas que trazem a água fresca das fontes no alto das rochas e dos reservatórios. O clima é mais fresco e húmido, porque os raios de Sol apenas aqui e ali se fazem sentir e durante poucas horas do dia. Ao atravessar o Vale da Ribeira da Torre, plantações e povoações sucedem-se e a ribeira estreita-se, entre duas vertentes agudas na rocha, para tornar a abrir-se num pequeno e curto vale.

As zonas a montante da Ribeira da Torre têm sido recentemente das mais visitadas em Santo Antão. A vegetação natural, sobretudo a das zonas escarpadas, beneficiadas pelos factores climáticos (precipitação e humidade), é geralmente apontada como o elemento mais atraente do quadro paisagístico dessa área. A beleza dos agrupamentos de espécies tem sido muito apreciada pelos visitantes e turistas.


Vale da Ribeira Grande

Com relevo muito acidentado, o Vale da Ribeira Grande (Figueiral, João Afonso, Chã de Pedras, Caibros, incluídos), possui um clima ameno com temperaturas moderadas durante o ano e amplitude de variação térmica fraca (ver Ilustração 6). A morfologia, o regime hídrico, a vegetação natural, o património construído apresenta um panorama espectacular onde o natural se mistura com o humanizado numa perfeita simbiose que importa defender. De destacar toda a agricultura de regadio armada em socalcos, numa obra-prima de conservação e aproveitamento de solos e água. 

O vale da Ribeira Grande possui uma orografia montanhosa, uma geologia interessante, diferentes estratos bioclimáticos, diversidade biológica, uma rede de caminhos vicinais densa e importante, formando assim uma paisagem natural muito bela e diversificada. 

As espécies vegetais mais representativas dessa região pertencem às coníferas (pinheiros, cupressus) e folhosas (eucaliptos, grevillea, acácias, losnas e ciprestes). E em abundancia encontra-se a língua de vaca, alevatão, marcelina, bálsamo e em pouca quantidade o dragoeiro. A Ribeira Grande é também uma zona onde se pode produzir em abundância a cana-de-açúcar, inhame, mandioca, banana, manga, milho, batata, fruta-pão, abacate, limão, laranja, cócos, maçã, marmelo, goiaba, chás, tomate, pimentão, cenoura, couve, coentro, salsa, abobara, alface e feijões, sendo assim a agricultura a principal actividade económica do vale. 

Em termos de património construído urbano destacam-se as cidades da Ribeira Grande e Ponta do Sol. Nesta última é plena de edifícios com traços arquitectónicos de rara beleza onde sobressaem equipamentos e construções coloniais muito antigas, como o edifício da Câmara Municipal, a igreja de Nossa Senhora do Livramento, várias casas do tipo Sobrados, etc. Outro marco histórico é a Enfermaria Regional (onde o Dr Agostinho Neto exerceria a medicina, enquanto estava preso pela PIDE em regime domiciliar).

Os atractivos naturais do concelho possibilitam aos visitantes e turistas a prática de vários desportos como o cannioning, pesca desportiva e mergulho, caminhadas a pé, trekking, ou outros desportos radicais que combinam com a natureza física da região.
 

O recanto ‘Estritin’

O recanto “Estritin” (Estreitinho em português) fica situado nos confins da ribeira de Caibros, dentro do vale da Ribeira Grande. Depois de passar pela cidade da Ribeira Grande, entra-se pela ribeira adentro e ao fim de uns 20 minutos a subir, existe uma linda cascata, ladeada por montanhas que, segundo os santatoneneses, atingem o céu. A água da cascata é fresca e cristalina. Nas grutas por onde escorre a água, formam-se espantosas estalactites e estalagmites. Um misto de encanto e medo invade o visitante que se assusta com o autoritarismo das rochas (ver Ilustração 7).

O Estritin é um lugar por excelência para fazer parte de um circuito de turismo com base na natureza. Lugares como este devem ser referenciados como monumentos naturais.
 

Delgadinho

O Delgadinho é um miradouro natural que se situa na antiga estrada a caminho da cidade de Ribeira Grande. Trata-se de um monumento natural que deve ser conservado e divulgado como um importante atractivo turístico (ver Ilustração 8). A vista é impressionante e de uma beleza rara. Dali pode-se avistar nitidamente, os cumes elevados da Ribeira de Duque e Ribeira da Torre, na sua máxima pujança de beleza natural.


 

Aldeias de Fontainhas, Corvo e Formiguinhas  

As zonas onde se situam as aldeias Fontainhas, Corvo e Formiguinhas são dotadas de beleza natural, diversidade paisagística e de montanha invejáveis, podendo estes locais serem transformados em atractivos turísticos de excelência (ver Ilustração 9). A estrada da cidade da Ponta do Sol para Fontainhas constitui um recurso turístico devido à sua originalidade.


 

Vale da Ribeira da Garça

A ribeira tem início nos relevos abruptos do Lombo Gudo, próximo do Gudo de Cavaleiro (1.810 m) e corre de sul para norte, desaguando no Oceano Atlântico a oeste da aldeia de Cruzinha da Garça.

O vale da Ribeira da Garça é extremamente encaixado, distinguindo-se das ribeiras situadas mais a leste (Ribeira Grande, Ribeira da Torre ou Ribeira do Paúl) pela existência de um verdadeiro canhão de paredes sub-verticais ao longo dos últimos 7 quilómetros. O canhão foi formado pelo entalhe recente de enchimento aluvionar, podendo atingir profundidades de muitas dezenas de metros (ver Ilustração 10).

Os terraços aluvionares (designados fajãs ou chãs) e as encostas trabalhadas em socalcos são aproveitadas para a agricultura por meio de um sistema de levadas para a irrigação. Cultiva-se cana-de-açúcar, banana, mandioca, inhame, etc.

O Vale da Ribeira da Garça pode ser percorrido em toda a extensão graças a uma rede de caminhos pedonais e de estradas secundárias.
 

Vale de Figueiras 

O vale de Figueiras é considerado como o mais encravado da ilha de Santo Antão. No entanto é dotado de uma enorme beleza e contraste paisagísticos (ver Ilustração 11). Por ser ainda pouco visitado, este constitui um recurso turístico por explorar.
 

Vale da Ribeira Alta

É um dos principais vales do Município da Ribeira Grande mas juntamente com o Vale de Figueiras, é uma das zonas mais encravadas de Santo Antão. Trata-se de um vale com um enorme valor paisagístico e pode ser considerado virgem em termos de exploração turística (ver Ilustração 12).


 

Vale do Mocho

O vale do Mocho fica localizado em Cruzinha da Garça e é uma das zonas mais remotas do concelho da Ribeira Grande. Possui apenas 22 famílias residentes, 10 das quais chefiadas por mulheres e uma população de cerca de 120 habitantes. Devido à sua realidade física, é muito visitada por turistas estrangeiros (ver Ilustração 13). É muito conhecido pelo seu contraste paisagístico entre o verde e o árido.

 

Ponta do Sol 

Ponta do Sol até Fontainhas: via rodoviária; Fontainhas, Corvo, Formiguinhas, Aranhas e Cruzinha via vicinal.
 

Vale da Ribeira Grande

Coculi, figueiral, João Afonso, Chã de Pedras, Pia de Cima e Boca de Coruja

Boca de João Afonso, Figueiral e João Afonso.

Coculi, Boca de Ambas as Ribeiras, Ribeira de Caibros, Garça- Manta Velha, Chã de Igreja e Cruzinha.
 

João Afonso e Lagoa.

Vila da Ribeira Grande, Mão pa Trás, Vale de Ribeira Grande, Vale de Ribeira da Torre, Pinhão, Monte de Joana, Lombo Branco e Chã das Furnas.

Lagoa, Matinho onde se pode escolher ir para caibros, Chã de pedras ou ainda Ribeirão.

Corda, Figueiral, Coculi, Ribeira Grande, Ribeira Grande, Ponta do Sol.

Espongeiro, Lombo de Pedra, Fajã dos Cumes, João Afonso, Coculi.

Tarrafal Monte Trigo, Monte Trigo, Norte, Topo de Coroa, Norte, Alto Mira, Figueira, Ribeira Alta, Cruzinha (4 dias de duração).

Boca de Coruja, Celada, Aranhas (com percurso via Fontainhas ou Cruzinha).

Agua das Caldeiras, Ribeira da Torre e Povoação.

Pedra Rachada, Rabo Curto, Marrador e Povoação.

Ribeirão- Campo de Cão, Boca de Coruja.

Cova, Cha de Pedras, Caibros, Boca de Ambas as Ribeiras.   
 

Recursos naturais costeiros

A orla costeira no Concelho da Ribeira Grande caracteriza-se pela sua reduzida extensão que anda à volta de três dezenas de quilómetros de costa que vai desde Lombinho de Saudade, a Leste, até a margem esquerda da Ribeira dos Paus, a Oeste, fronteira com o Concelho do Porto Novo.

A orla apresenta-se muito recortada com relevos que caem abruptamente para o mar, dificultando assim a formação de praias. Ao longo desta costa desenvolvem-se apenas pequenas praias sazonais que vão de Maio a Setembro, nomeadamente: Praia de Sinagoga; Praia de Mão para Trás; Praia Pequena; Praia de Lisboa; Praia de Aranhas; Praia de Boca do Mocho. Para além dessas praias existem espaços balneares e de recreio, a saber: Lagedo Largo, Prainha e outros (verIlustração 14).

Pequenas enseadas nomeadamente de Sinagoga, Ponta do Sol, Cruzinha, Ribeira Alta e João Redondo deram origem a portos importantes de pesca artesanal constituindo, assim, porta aberta para melhor aproveitamento dos recursos oceânicos.

Zonas costeiras do Concelho da Ribeira Grande

Ambiente

Ambiente

O principal risco ambiental nos bairros espontâneos está associado à gestão urbana, com a prevalência de condições precárias de habitação, deficiente abastecimento em bens essenciais como água e energia e deficiente recolha de resíduos. A vulnerabilidade aos riscos aumenta pela alta incidência da pobreza e irregularidade no emprego.

A educação ambiental poderá ser feita através das escolas e directamente nas comunidades, numa acção concertada entre o Município as Delegações do Governo instalados no Concelho e as associações comunitárias de base usando para efeito os recursos previstos no âmbito do PANA II e ainda recursos mobilizados junto das organizações internacionais.

A formação deverá ser equacionada em concertação com as rubricas já analisadas, nomeadamente nos domínios de comunicação, informação e sensibilização nos domínios de ambiente, cidadania e saúde pública, envolvendo as associações comunitárias de base com apoio da Câmara Municipal.

Cultura

Cultura

A população do Concelho da Ribeira Grande, integrado na ilha de Santo Antão, apresenta, à semelhança do resto do País, características forjadas na aculturação e difusão de um interlaçar de raças provenientes de vários quadrantes.

Com uma forma e especificidades próprias, o santantonense expressa a sua cultura e manifesta-se através da língua (o crioulo de Santo Antão), da gastronomia, da música, da dança (mazurca, contradança, valsa, morna e coladeira e do característico do colá S. João), da arte, do teatro, da participação efusiva nas romarias, tudo de forma peculiar e à sua maneira. Assim encontramos traços e manifestações próprias como o uso do tambor e do barquinho nas festas de romaria típicas da ilha e nas deslocações feitas com os santos nas épocas festivas de uma localidade para outra.

Um outro ritual que se encontra, mas que esta a cair em desuso é a pomba de Assunção que anuncia um bom ou mau ano agrícola. Algumas tradições correm perigo de extinção, como a festa tradicional de casamento e o hino do amor.
 

Atractivos culturais materiais

O património construído urbano, de traços arquitectónicos de rara beleza onde sobressaem equipamentos e construções coloniais muito antigas, como a casa do Dr. Roberto Duarte Silva, um dos edifícios mais antigos de Ribeira Grande onde nasceu e viveu o cientista santantonense, a igreja de Nossa Senhora do Rosário, sobrados diversos, o antigo Posto Sanitário (actual associação de Diabéticos) o Ex Correios (actual sede SISA e Camara Comercio), etc. A população da Cidade de Ribeira Grande é constituído por gente considerada de fino trato, prestáveis, solidárias e trabalhadoras.
 

Cidade da Ribeira Grande

A Cidade da Ribeira Grande, também vulgarmente conhecida como Povoação, é uma Cidade do Concelho do mesmo nome, na Freguesia de Nossa Senhora do Rosário, na Ilha de Santo Antão. Foi elevada à categoria de Vila em 1732 e Cidade em 2010. 

Fica situada na confluência dos Vales da Ribeira Grande e da Ribeira da Torre tornando-se um importante nó rodoviário que permite a ligação das estradas provenientes do Porto Novo pelo interior e pelo litoral leste à Ponta do Sol e às povoações dos vales da Ribeira da Torre e da Ribeira Grande, respectivamente.

A Cidade tem vários edifícios notáveis, como a Câmara Municipal do município da Ribeira Grande ou a Igreja Paroquial de Nossa Senhora do Livramento. O edifício da Câmara Municipal é considerado por muitos, a construção de sede de município mais bonito de Cabo Verde.
 

Cidade de Ponta do Sol

A Cidade da Ponta do Sol (Pónta d’ Sol) é a sede do concelho da Ribeira Grande e fica situada numa fajã no extremo norte da ilha de Santo Antão, na Freguesia de Nossa Senhora do Livramento do Concelho da Ribeira Grande.

A Cidade tem vários edifícios notáveis, como a Câmara Municipal do município da Ribeira Grande ou a Igreja Paroquial de Nossa Senhora do Livramento. O edifício da Câmara Municipal é considerado por muitos, a construção de sede de município mais bonito de Cabo Verde.
 

Cais de Boca de Pistola

Na Ponta do Sol fica situado o único aeródromo da ilha, que se encontra actualmente desactivado. A Ponta do Sol tem igualmente um porto de pesca na zona conhecida como Boca da Pistola. Do património arquitectónico destacam-se os seguintes: Cais de Boca de Pistola, Ex armazém EMPA (casa de Adão Brigham), Casa Vitória, Casa Benjamin Cohen, Residência e ex-casa dos Magistrados, Registo Civil, Casa Nhô Kzik, Rua Direita, Cadeia (Fortaleza de Ponta do Sol), Foro de Cal, Casa do Presidente, Cemitério de Judeu.

De realçar que, nos finais do séc. XIX á primórdios do s´sc. XX no edificio da Cámara Municipal da Ribeira Grande, em Ponta do Sol funcionavam várias repartições do Estado/ Concelho (Tribunal, Registo Civil, Correios, fazenda/ Finanças etc) sendo na altura a sede da Comarca Judicial da Região de Barlavento.

Dos monumentos naturais destaca-se a enseada de Boca de Pistola, que constitui um atractivo natural de rara beleza, em especial quando o mar está mais revolto.


 

Atractivos culturais imateriais

Encontramos traços e manifestações próprias como o uso do tambor e do barquinho nas festas de romaria típicas da ilha e nas deslocações feitas com os santos nas épocas festivas de uma localidade para outra. Um outro ritual que se encontra, mas que esta a cair em desuso é a pomba de Assunção que anuncia um bom ou mau ano agrícola.
 

As festas de romarias

As festas de romarias vêm de uma origem religiosa e pagã, que alguns estudiosos afirmam terem origem em rituais pagãos europeus, designadamente da Península Ibérica. As festas juninas são um exemplo, atribuindo-se a sua origem às festas pagãs de celebração das colheitas no mês de Junho e que a Igreja Católica terá absorvido, dando especial relevo aos santos desse mês, como S. António, S. João e S. Pedro (ver Ilustração 19). 

Estas festas atraem um grande número de populares que festejam exuberantemente em toda a ilha de S. Antão, numa mistura ancestral do profano e religioso que se mantém vivo nos nossos dias, tendo inclusive ganho um novo folego nos últimos anos. Durante as mesmas há muitas manifestações tradicionais típicas como a música, a utilização de tambores, o leiloamento das oferendas dos santos, a gastronomia (em muitas localidades ainda preserva- se os hábitos alimentares que vem de longe) e a venda de produtos e materiais feitos a mão e em casa.
 

As principais festas de romarias são:

Cidade de Ribeira Grande - festa de Nossa Senhora do Rosário no primeiro domingo de Outubro; 8 de Setembro, é feito a festa de Nossa Senhora da Penha, em Penha de França; 29 de Setembro é a festa de São Miguel em Tarrafal;

Lombo Branco - A única festa de romaria é a de Nossa Senhora do Carmo, a 16 de Junho; no mês de Agosto faz-se um festival de água doce; 

Coculi - do Santo Crucifixo a 3 de Maio;

Caibros - Festival de água no mês de Julho;

Ribeira da Torre - Festa da Santíssima Trindade; 

Fajã Matos, Ribeirão - Festa de Nossa Senhora de Fátima no dia 13 de Outubro;

Chã de Igreja - Festa de São Pedro Apóstolo no dia 29 de Junho;

Ribeira de Mocho - festival de Boca de Mocho em Agosto;

Ribeira da Garça - Festa dos Trabalhadores no dia 1 de Maio;

Forminguinhas, Corvo, Fontaínhas, Figueiras e Ribeira Alta - são localidades onde a festa de Páscoa é feita com grande fervor;

Cidade da Ponta do Sol - Festas de Nossa Senhora do Livramento no dia 24 de Setembro e no dia 13 de Outubro a festa de Nossa Senhora de Fátima;

Monte Joana- Festa de Santo André- 30 de Novembro 

Corda- São festa de João Baptista- 24 junho

João Afonso- Festa de Santo André- 30 de Novembro
 

Artesanato 

Atelier Jairson Lima - situado dentro do Centro Comercial da Ribeira Grande, rua de Pelourinho;

Eki-Eko com fabrico exposição e venda de souvenirs e bebidas (telefone: 2251064/9510414); 

Santati-art venda de souvenirs - Telefone: 5304807) - Rua Direita, Cadeia Civil de Ponta do Sol.

Duas bibliotecas municipais e quatro recintos desportivos constituem as parcas infra-estruturas do concelho onde potencialmente se podem desenvolver algumas actividades culturais.

Género

Género

A promoção da igualdade do género constitui uma preocupação política em Cabo Verde, tanto no espaço rural como urbano. No quadro institucional, o Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade do Género tem a tarefa de desempenhar acções viradas para a promoção da condição feminina, mas sobretudo através da comunicação, informação e sensibilização e apoio em casos concretos.

A questão do género na habitação urbana é muito semelhante aos outros concelhos da ilha e liga-se ao desemprego e/ou a empregos precários que não dão garantia bancária ou maior incidência da pobreza nas mulheres, mas é mais sensível nas mães solteiras chefes de família.

O Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade do Género tem apoiado as mulheres chefes de família, tanto a nível de emprego como no acesso à habitação. No entanto, devemos salientar que este apoio é mais no âmbito de encaminhamento para as instituições parceiras, como a MORABI, OMCV e a Fundação Cabo-verdiana de Solidariedade (FCS).

ENDEREÇOSede
LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
REDES SOCIAISLinks
NEWSLETTERSubscreva

    ENDEREÇOSede
    Edif. IFH Bloco C-R/C, Achada Santo António - Praia
    (+238) 262 36 34
    anmcv35@sapo.cv
    Delegação
    Avenida Baltazar Lopes da Silva, Mindelo – São Vicente
    (+238) 353 04 36
    LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
    https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
    REDES SOCIAISLinks
    NEWSLETTERSubscreva

      Visitas desde 15/02/2022: 43582

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology