Sotavento Santa Catarina de Santiago

Do ponto de vista histórico, o concelho de Santa Catarina foi criado em 1600 pelo Bispo D. Fr. Vitorino Ortuense, e inicialmente era constituído por duas freguesias: Santa Catarina e São Salvador do Mundo.
Órgãos Eleitos 
Contactos
Contexto histórico
Situação Socioeconómica
Actividades Económicas
Turismo
Ambiente
Cultura
Género
Órgãos Eleitos 
Órgãos Eleitos 
 
Constituição da Câmara Municipal do círculo eleitoral de Santa Catarina de Santiago
 
Jassira Maria da Veiga Monteiro
Armindo Freitas Correia
Jacinto Landim Horta
Jaqueline Furtado dos Reis Borges
Isabel Maria Cabral Semedo Monteiro
Ido António Mendes de Carvalho
Vladmir Elisângelo Fernandes de Brito
João Felix Tavares Rodrigues Cardoso
 
 
Constituição da Assembleia Municipal do círculo eleitoral de Santa Catarina de Santiago 
 
João Eurico Gonçalves da Moura - MPD
Ermelindo Pereira Fernandes - PAICV
Vanda Varela Semedo Tavares - MPD
Catarina Helena Azevedo de barros Furtado - PAICV
Nataniel varela Ribeiro - MPD
José Carlos Sanches Brito - PAICV
Alcides Fernandes da Moura - SAT
Euclides Cabral Furtado - MPD
Maria de Conceição da Veiga Robalo - MPD
António Pedro Martins da Costa - PAICV
José Maria Silva da Veiga - MPD
Maria Auxília Tavares Barbosa - PAICV
Ângelo Horta Fidalgo - MPD
Moisés Alvarenga Martins - PAICV
Sandra Maria Moniz Tavares Almeida - SAT
Maria josé Lopes Martins - MPD
António Fernandes Martins - PAICV
Michel António Moreira da Veiga - MPD
Silvino Mendes Robalo - MPD
Kátia Helena varela Monteiro - PAICV
Josefina Fernandes Furtado - MPD
Contactos
Contactos

 

Endereço: Cidade de Assomada

 

Telefone: (+238) 938 45 55

 

Fax:           (+238) 265 16 58

Contexto histórico

Contexto histórico do Município

 
Do ponto de vista histórico, o concelho de Santa Catarina foi criado em 1600 pelo Bispo D. Fr. Vitorino Ortuense, e inicialmente era constituído por duas freguesias: Santa Catarina e São Salvador do Mundo. 
Em 1834, um senhor chamado de Manuel António Martins tomou posse como governador da Província de Cabo Verde e pretendia fazer a transferência da sede do governo da cidade da Ribeira Grande (actualmente Cidade Velha) para os Picos (Achada Igreja), na Freguesia de São Salvador do Mundo que posteriormente veio a dar origem ao concelho de Santa Catarina. 
Esta transferência da sede do governo para os Picos não foi do conhecimento do governo português. A iniciativa desta transferência foi simplesmente uma opção do governador, contribuindo deste modo para o crescimento das infra-estruturas e para o desenvolvimento do concelho de Santa Catarina e do interior da ilha de Santiago. O concelho tem uma atracão natural (um clima montanhoso favorável) e dispunha de um solo rico e de abundancia de água. (VIEIRA, 1993, citado por, TAVARES, 2009, p. 51) 
Segundo esses autores, Assomada foi fundada num planalto entre duas cadeias de montanhas, e rapidamente se tomou o centro do concelho de Santa Catarina e um dos mais importantes centros urbanos do interior da ilha de Santiago. De acordo com eles Santa Catarina é conhecida pela sua independência, já que foi isto é o berço da língua crioula e o palco de muitas revoltas e confrontos contra os proprietários das terras e contra o colonialismo português, sendo uma das mais conhecidas a revolta de Ribeirão Manuel.
 
Criação
O Município de Santa Catarina surgiu quando houve a transferência da sede do Concelho de Ribeira Grande de Santiago para a povoação de Picos (na freguesia de São Salvador do Mundo) a 14 de Fevereiro de 1834.
A sede do Município teve várias localizações, tais como: Picos (1884), Achada Falcão (1861), Mangue do Tarrafal (1869) e Assomada (1912). 
Nas várias divisões administrativas feitas na ilha de Santiago, o concelho aglomerou freguesias de Santa Catarina (conhecida como Santa Catarina do Mato), São Salvador do Mundo, São João Baptista, São Miguel e Santo Amaro Abade.
Atualmente, compõe-se de uma freguesia do mesmo nome, resultante dos vários reordenamentos, no final do seculo XIX.
 
Localização geográfica;
Do ponto de vista geográfico, o Concelho de Santa Catarina é um concelho/município da ilha de Santiago, no Sotavento de Cabo Verde, com uma superfície de 243 km² e 49.829 habitantes. A sede de concelho é a cidade de Assomada, que fica a 36 km para norte da cidade da Praia, capital do país. 
O concelho de Santa Catarina é constituído pela freguesia de Santa Catarina. A freguesia de São Salvador do Mundo, que constitui desde 2005 o concelho do mesmo nome, fez parte de Santa Catarina até àquela data. 
O concelho abrange parcialmente os Parques Naturais de Serra Malagueta e de Serra do Picos de Antónia. Parque da Serra Malagueta possui uma área de 774 ha e situa-se na confluência de três Municípios: Santa Catarina (302 ha), São Miguel (436 ha) e Tarrafal (36 ha). (ANMCV 2017).
 
População
Segundo o INE em 2010, o município possuía uma população de 43454 habitantes sendo 20324 do sexo masculino e 23130 do sexo feminino e de acordo com as projeções da mesma fonte  no ano de 2017 o Município contava com cerca de 45922 habitantes sendo que 22092 masculinos e 23829 Feminino.
A pirâmide etária de Santa Catarina apresenta a base larga e o topo estreito pode-se então caracterizar a população do concelho como uma população jovem (59,6% têm menos de 24 anos). dados de INE 2015.
Na pirâmide etária de Santa Catarina verifica-se que a base da pirâmide já começa a estreitar-se, facto que pode ser devido a diminuição da natalidade no concelho, por outro lado, na faixa etária dos 10 aos 24 anos a pirâmide já começa a alargar-se devido a existência de um número considerável de jovens;
Em 2015, o concelho de Santa Catarina tinha cerca de 11.223 agregados familiares, na sua maioria (6.132) representadas por mulheres, o que demonstra algum desequilíbrio na estrutura familiar do concelho.
A esperança Média de vida
 
Em Santa Catarina, de acordo com os dados do INE do ano 2011 a 2017 a esperança media de vida tem vindo a aumentar para ambos os sexos, o que demostra o aumento da qualidade de vida no concelho. Relativamente a distinção entre os sexos, o sexo feminino tem esperança média de vida superior ao sexo masculino.
 
Natalidade
Segundo os dados do INE, no ano 1990, Santa Catarina tinha uma taxa bruta de natalidade relativamente elevada, ligeiramente inferior a média nacional e inferior a média da ilha de Santiago. Esta taxa bruta de natalidade, de Santa Catarina, ocupava o segundo lugar no ranking nacional a seguir da praia (58,3‰), em 1990. Contrariamente, em 2000 tinha uma taxa bruta de natalidade ligeiramente superior a ilha de Santiago e superior a média nacional. No ano 2010, a taxa bruta de natalidade em Santa Catarina reduziu consideravelmente (18,7‰), comparando ao ano 2000, esta taxa era inferior a média nacional que tinha uma taxa bruta de natalidade de (22‰)
 
 Mortalidade 
O concelho de Santa Catarina no ano 2005 teve a taxa mais baixa com um valor de 4,7‰ contrapondo o ano 2015 que atingiu uma taxa de 5,6‰.
 
 
 
Migrações 
concelho de Santa Catarina, como parte integrante de Cabo Verde esse fenómeno não tem sido excepção.segundo os dados do INE o concelho de Santa Catarina está longe de ser um centro atractivo das populações, gerador de emprego, visto que os estudos realizados demonstram que é um concelho relativamente pobre, por isso o seu saldo migratório é negativo, ou seja, tem-se verificado uma maior saída de pessoas do que as entradas.
 
Situação Socioeconómica

Situação socioeconómica 

Santa Catarina é um concelho predominantemente rural (86% da população vive em áreas rurais e 14% vive na zona rural).

O concelho está localizado em uma região onde se regista uma forte procura do ensino secundário e superior e de formação profissional o que pode ser muito importante para qualificação da mão-de-obra local e, consequentemente, desenvolvimento económico do Concelho, isto, se os recursos humanos foram bem aproveitados. 

 

 Habitação

O Município de Santa Catarina, tem um elevado défice Habitacional de cerca de 4000 fogos e a situação de insegurança habitacional em que vivem mais de 2000 famílias e convivem com uma elevada procura de lotes para construção urbana, mormente por um segmento importante e famílias sem capacidade financeira para construção de habitação própria, mas também com a especulação imobiliária urbana na venda de terrenos no concelho e um segmento importante de procura de habitação económica.

A crise social e a desigualdade de renda expulsam constantemente, ainda que não de forma explícita, a população mais pobre das áreas equipadas e bem servidas de infraestrutura, resultando na contínua ampliação e adensamento loteamentos precários e irregulares de periferia.

Atualmente, a nível dos tipos de habitação do centro urbano da Assomada, destacam-se duas situações extremas. Por um lado, nos últimos anos, tem aumentado consideravelmente o número de habitações de padrões elevados, com técnicas e materiais importados, pertencentes às camadas da população com maiores rendimentos, quadros superiores, dirigentes políticos, comerciantes e emigrantes que no geral ocupam as zonas mais consolidadas da cidade e dotadas de melhores infraestruturas. Por outro lado, confirma-se cada vez mais a tendência do surgimento de habitações construídas através de um processo tido “ilegal”, com poucas condições de habitabilidade e que ocupam zonas geralmente carentes em infraestruturas de saneamento básico e de equipamentos públicos. Estas estão ocupadas pelos extratos mais vulneráveis da população que vivem, na generalidade, com fracos recursos económicos

As diferenças de rendimento existentes nas famílias de Santa Catarina destacam as desigualdades sociais acentuadas e com tendência a crescer, cuja consequência é a definição de um padrão de habitabilidade diferenciado consoante o nível de rendimento. 

 

Água 

No concelho de Santa Catarina, a ligação à rede pública de água abrange apenas 45,2% dos alojamentos, abaixo da média nacional que é de 54,4%. A energia eléctrica atinge 66,0% dos alojamentos (média nacional: 80%) e as instalações sanitárias fazem parte de apenas 51,0% dos mesmos (média nacional: 63%). No que se refere às instalações de banho ou duche (banheira com chuveiro), apenas 39% dos alojamentos possuem essas instalações (média nacional: 44%). O acesso à água melhorou muito nos últimos anos, porém, apenas 45,2% dos alojamentos estão ligados à rede pública de água.

O acesso à água potável, seja através de rede pública, seja através de fontenários ou outras formas de abastecimento, melhorou significativamente nos últimos anos e, em 2007, já atingia 80,9% da população da população. 
 

Saneamento

A evacuação de águas sujas continua sendo um dos grandes problemas do concelho onde cerca de 51% dos alojamentos do concelho têm o sistema de evacuação de águas residuais através da fossa séptica e, via rede pública de esgoto, essa percentagem é quase nula. Grande parte das águas residuais e dos resíduos sólidos é deitada à beira das habitações ou abandonadas directamente na natureza.

Na cidade de Assomada, a limpeza urbana e a recolha de resíduos são efectuadas, porém, com muitas deficiências. Não existe, também, um serviço público de transporte urbano. A ligação entre os diferentes bairros da cidade e do concelho é efectuada através de viaturas privadas, os denominados hiaces e táxis. 

 

Gestão de Residios 

A gestão correta dos resíduos sólidos em Cabo Verde tem merecido a atenção dos sucessivos governos, tanto a nível das leis que regulam esta atividade como também de recursos humanos e materiais. Apesar dos investimentos feitos, tanto pelo governo central como pelas autarquias, registam-se ainda muitas insuficiências, tais como: equipamentos obsoletos ou muito degradados, inexistência de infraestruturas adequadas, de recolha e tratamento de dados e recursos humanos capacitados e motivados.

No concelho de Santa Catarina a evolução na gestão de resíduos sólidos não evoluiu como seria de esperar e nem correspondeu às expectativas da população.

Em 2003, a quando da elaboração do Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2004-2014, a literatura dispersa, estimava-se o total de 157.680 toneladas anuais de resíduos sólidos gerados, repartidos entre a fração urbana, industrial e hospitalar. (Ministério do Ambiente, 2003).

O mesmo Plano, citando o Recenseamento Geral da População e Habitação do ano 2000 e os dados fornecidos pelas câmaras, diz: “o concelho de Santa Catarina1 alberga 49.829 pessoas, tem uma taxa de cobertura de recolha de resíduos sólidos na ordem dos 14%, a mais baixa taxa nacional, com apenas uma viatura com sistema de compactação, não existe dados disponíveis sobre o número de contentores, papeleiras e carrinhos de mão (veja o quadro 6.4.1, versão 1 do Plano Nacional 2004-2014).

Durante a elaboração do plano em 2003 conclui-se que em Cabo Verde gerava-se aproximadamente 92.000 ton/ano de rsu, a taxa média de cobertura dos serviços de recolha era de 62%, recolhia-se um total de 57.016 ton/ano e cada cabo-verdiano servido originava 0,58 kg/dia de rsu.

O município de Santa Catarina contribuía com 7.956 ton/ano de resíduos, servindo 41% da sua população, e cada pessoa gerava 1,067 kg/dia de resíduos sólidos.

 

Saúde

A nível da Região Sanitária Santiago Norte que inclui o concelho de Santa Catarina o sector da saúde tem evoluído bastante tanto em termos de equipamentos de saúde quanto em termos de recursos humanos e financeiros, não obstante, alguns desafios em matéria de capacidade de resposta as demandas aos Hospitais e Centros de Saúde.

Um dos grandes empreendimentos no sector da saúde a nível da região foi a construção do Hospital Regional Santa Rita Vieira que trouxe impactos directos na vida população aliviando o Hospital Central da Praia a maior do país.

A respeito do sector da saúde ser maioritariamente tutelado pelo poder central através do ministério da saúde, as autarquias locais também tem responsabilidade nessa matéria e devem desenvolver programas e projetos que visam aumentar a cobertura da saúde a nível local para 100% da população.

No que tange ao concelho de Santa Catarina em particular quando comparado com outros concelhos importante do país verificasse que a situação não é tão preocupante não obstante os desafios existentes em matéria de capacidade de resposta a todas as demandas da população. Analisando os últimos dados do sector da saúde produzido pelo ministério da saúde em matéria de orçamento canalizado para o sector da saúde do concelho constata-se que o valor chega aos 40 milhões de escudos oriundos do orçamento do estado, mais cerca de 15 milhões de escudos geradas pela própria delegacia.

Em matéria de recursos humanos que trabalham no sector Santa Catarina quando comparado com os outros concelhos do país constata-se que o mesmo encontra-se bem servido, dispondo em 2015, de 42 médicos 56 enfermeiros para atender uma população de aproximadamente 52 mil habitantes. Portanto cercar de 12 médicos para cada 10.000 habitantes. Tendo em conta os recursos que o país dispõe acredita-se que esses números são interessantes e permite atenuar as necessidades existentes no sector de saúde do concelho .

Em termos de taxa de mortalidade geral percebe que o concelho regista uma evolução de 5,6% em relação ano anterior apresentado um total de 254 óbitos no ano de 2015.

Entre as principais causas de morte está relaciona com aparelho circulatório, sintomas mal definidos, tumores ou neoplasias e, aparelho respiratório como demostra a tabela abaixo. Portanto, considera importante implementar acções que visam minimizar essas doenças no concelho.

Uma das doenças preocupantes que tem desafiados os médicos por que ainda não tem cura, tem atingido de forma significativa a população do Concelho de Santa Catarina. Segundo os dados do relatório do ministério da saúde Concelho está em segundo lugar em matéria de pessoas infectadas com vírus de VIH-SIDA, perdendo apenas pelo município da Praia que está em primeiro lugar e São Vicente segundo lugar. Portanto, considera-se urgente medidas nesse sentido visando prevenir novas infecções por essa doença que na sua fase terminal geram muitos custos para o sistema nacional de saúde. 

 

Educação 

os dados referentes ao nível de ensino da população residente no concelho em 2010, verifica-se que o nível de ensino com valores percentuais mais significativos era o ensino básico (40,3%), seguido pelo ensino secundário com 32,0% e sem nível de instruçao17,0%, respetivamente. Já no que se refere ao Ensino Superior (3,8%) e o curso médio 0,9% registavam valores ligeiramente inferiores. Deste modo, e numa análise comparativa com os valores registados em 2000, verifica-se um decréscimo da população residente com o ensino básico, bem como um aumento dos valores associados ao ensino secundário e, particularmente, ao ensino superior

A rede educativa existente no concelho de Santa Catarina no ano letivo 2015/2016 abrange desde educação pré-escolar ao ensino secundário,

técnico profissional, cursos superiores profissionalizante e superior, lecionados em instituições pertencentes à rede pública e privada.

No ano letivo de 2015/16, o concelho contava com 14634 estudantes.

A taxa de Acolhimento do pré-escolar era, em 2015/16, de 97,3%; a percentagem de retenção no básico era de 8,4% - apesar de tudo o valor abaixo da nacional – e 66,1% transitavam ou terminavam o secundário. A taxa líquida de escolarização no ensino básico era de 90,9% e 71,8% no ensino secundário e a taxa bruta de escolarização era de 101% e 93.8% respetivamente.

Relativamente às áreas de formação enquadradas no ensino profissional em 2015/2016, predominaram os formandos nas áreas de saúde (18,1%), agronegócio (10,6%), tecnologia de informação geográfica e territorial (9,9%), apresentando-se igualmente estas áreas como dominantes no ano letivo precedente. A nível do ensino superior os cursos com maior número de formandos foram os cursos de direito (21,1%), educação básica inicial (20.8%), e enfermagem com (13,5%).

 

 

Pobreza

O Município de Santa Catarina, situado na Ilha de Santiago de Cabo verde., é o terceiro maior concelho de Cabo Verde, com aproximadamente 50.000 habitantes, dos quais de cerca de 38, 2 % são pobres acordo com dados INE de 2016.

Actividades Económicas

Atividade económica 

As principais atividades económicas são a agricultura (em regime de sequeiro), a criação de gado.

Para além dos sectores considerados potenciais, como a área do turismo, energias renováveis e Tecnologias de Informações e Comunicações, o Concelho já conta com diversos tipos de atividades económicas capazes de induzir o crescimento e desenvolvimento do concelho de Santa Catarina, ei-los que são:

- Indústria de transformação de alimentos;

-Empresas do ramo de construção civil;

-Lojas de comércio de retalho e a grosso;

- Restauração, hotelaria, serviços similares e, etc.o, a avicultura, a pesca e o comércio retalhista. (TAVARES, 2009, ANMCV, 2017);

 

Agricultura

A agricultura é uma ferramenta de desenvolvimento de vital importância não só para crescimento económico como também para superar a pobreza e aumentar a segurança alimentar. 

Santa Catarina de Santiago por ser um concelho localizado na zona rural a atividade agrícola apresenta como um dos sectores da economia local que mais emprega as pessoas, portanto, é do campo que vem o sustento da maior parte das famílias que residem no concelho e em outras localidades do Arquipélago como a cidade da Praia a capital do país.

Em matéria de sexo e meio de residência dos agregados familiares que praticam a agricultura os dados do último recenseamento apontam que a mão-de-obra predominante no sector de agrícola são das mulheres e a maioria dos agregados concentram-se nas zonas rurais do concelho.

Ultimamente com o crescimento do sector do turismo a nível nacional tem-se registado um número significativo de comerciantes que tem exportado produtos agrícolas para as ilhas turísticas sal, Boavista e São vicente. Portanto, o sector agrícola do concelho tem contribuído não só para abastecer o mercado local como também de outros municípios e ilhas. O concelho de Santa Catarina pelo fato de deter a maior parte das parcelas de terrenos no território nacional pode potencializar o desenvolvimento do sector agrícola dando assim oportunidade de emprego para a população. Segundo os dados preliminares de Recenseamento Agrícola – 2015, Santa Catarina de Santiago é o concelho do país com maior superfície total de parcelas de terrenos.

A despeito dos vários investimentos no sector agrícola em matéria de formação, equipamentos e infra-estruturas de grande porte como a Barragem de Saquinho e Flamengo ambas localizadas no território do concelho, a agricultura constitui um sector com um grande potencial por explorar. Pois, “ainda predominam práticas e culturas pouco produtivas, rudimentares e por vezes, até obsoletas e inadequadas. Segundo os dados do último recenseamento agrícola persiste ainda a agricultura de sequeiro uma técnica agrícola para cultivar terrenos onde a pluviosidade é diminuta e, o concelho de Santa Catarina lidera o ranking nacional em matéria do número agregados familiares que praticam a agricultura de sequeiro. E, em matéria da prática da agricultura de regadio nota-se que o concelho está bem posicionado quando comparado com os outros municípios, ocupando segundo lugar no ranking nacional, ficando apenas atrás do concelho de Santa Cruz.

Atualmente com o surgimento das novas tecnologias de produção é possível perceber que alguns agricultores têm investido no sector agrícola com o sistema de rega gota-gota usando parcelas de terras cada vez maior para produzir. 

Por outro lado, após a criação das barragens em algumas ilhas do país percebe-se uma certa preocupação do Ministério da Agricultura o órgão governamental que coordena todo o sector agrícola nacional em inculcar na mente dos agricultores a ideia de empresarializar o sector, isto é, organizar a produção agrícola visando melhorar a qualidade dos produtos e fazer com que os mesmos consigam concorrer em pé de igualdade com os produtos importados. Neste sentido, hoje já é possível perceber um número cada vez maior de produtores que vêm desenvolvendo a actividade agrícola numa lógica empresarial e que têm conseguido participar no abastecimento de parte dos empreendimentos turísticos no país. Entre os produtos derivados do sector agrícola comercializados pelos produtores pode-se destacar: a confecção de doces e licores diversos, a produção de aguardente e mel de cana sacarina, manufactura do queijo e manteiga e a salga da carne de porco. 

 

Pecuária 

A atividade pecuária, em todo o país, é uma atividade estreitamente associada à agricultura praticada pelas explorações familiares e, no concelho de Santa Catarina não é diferente, o interessante é o nível de desenvolvimento dessa atividade no concelho que está em um estágio superior aos outros concelhos do país. É através da atividade pecuária que as famílias conseguem se sustentar e, ainda, abastecer o mercado local. Hoje em dia já é possível também ver produtores que investem na atividade pecuária visando produzir em grande escala e abastecer o mercado turístico nacional, especialmente, em matéria de frangos. Segundo os dados Recenseamento Geral Agrícola (RGA) de 2015, o Concelho de Santa Catarina é reconfirmado como sendo o maior do País em termos de produção pecuária. Nessa data, detinha o maior número de Bovinos, Caprinos e Suínos. A suinicultura ocupava o lugar cimeiro, com o maior número de cabeças. Seguindo-lhe os bovinos e caprinos. Santa Catarina é ainda o principal produtor da carne bovina e o maior fornecedor de carne a nível nacional. Neste cenário, é importante referir, ainda, que assomada é o maior mercado de venda de gado da ilha de Santiago e do país.

Problema da actividade pecuária e da agricultura no concelho de Santa Catarina é o mesmo, preende-se com a falta de chuva, pois quando não houver a chuva não só o concelho sentem as consequências como também todo o país. Por outro lado, com a falta da chuva, para além da falta do milho que é um dos principais alimentos nutritivos dos animais, a falta de pastos muitas das vezes colocam os criadores em situações críticos levando os animais a situações de autêntica desnutrição e desvalorização no mercado. Este ano de 2017 reflecte de forma emblemática os impactos da falta de chuva no Arquipélago de Cabo de Verde.

Entre os tipos de criadores existentes do concelho destaca-se os Criadores associados à exploração tradicional e os Criadores associados à exploração melhorada. O primeiro, dedicam-se à criação essencialmente de caprinos/ovinos e suínos em regime extensivo. Utilizam raças locais e tecnologias tradicionais. Já o segundo, dedicam-se à criação de animais de raça local/melhorada, em regime semi-estabulado e estabulado. Estes criadores utilizam melhores tecnologias em termos de manejo, alimentação e cuidados sanitários.

Finalizando este eixo de extrema importância para o desenvolvimento do concelho pode-se afirmar com base nos dados apresentados que os sectores da Agricultura e Pecuária constituem uma das áreas da economia local de maior relevância e, acredita-se que uma aposta continuada nesses sectores através de investimentos estruturantes pode consubstanciar como uma das estratégias fundamentais e assertivas que poderá ser adopta pela autarquia local e, por conseguinte, liderar o mercado nacional com produtos derivados desses dois sectores. 

 

Comercio.

No âmbito dos concelhos do país Santa Catarina encontra-se muito bem posicionado em matéria de comércio, particularmente o comércio a retalho que é mais expressivo em todos os concelhos do país. Os dados indicam que Santa Catarina encontra em terceiro lugar. Praia com 832, São vicente, 785, Sal 25, e Santa Catarina 203. Portanto, 

os números significativos de comércio a nível nacional estão localizados no concelho dando um contributo importante no desenvolvimento económico e social do concelho gerando emprego para as famílias e contribuindo para o crescimento do Produto Interno Bruto local e nacional.

Não é possível falar do sector do comércio em Cabo Verde e especialmente no Concelho de Santa Catarina sem se referir ao comércio informal, por ser um país ainda em fase de desenvolvimento, registando um índice significativo de pobreza, muitas pessoas resolvem se empreender no sector de comércio visando ter acesso ao emprego e renda e, por conseguinte, melhorar as suas condições de vida.

Actualmente, percebe-se um número cada vez maior de cidadão com nível de formação profissional e superior a enveredar para sector do comércio e, muita das vezes começando com pequenas unidades de negócios operando na economia de forma informal. Num estudo versando sobre o comércio informal no concelho de Santa Catarina realizado por Vilma (2015) constatou um número interessante de jovens com formação superior que praticam o comércio informal.

Uma outra constatação importante desse mesmo estudo foi o facto de mais de 50% afirmarem estar interessados e dispostos a formalizar os seus negócios. Um dado extremamente importante se entendermos que após a formalização estarão sujeitos não só a pagar as taxas diárias para operarem como também contribuir pagando impostos que vão aumentar as receitas municipais. Receitas essas que poderão ser convertidas em infraestruturas económicas que vão das mais condições ao sector do comércio.

 

Pesca.

No domínio da pesca, as limitações são evidentes existindo, no entanto, alguns nichos de produto pesqueiro passíveis de identificação e exploração. A aquacultura, onde se conhecem algumas experiências embrionárias, carece ainda de confirmação da sua viabilidade.

No que concerne ao “Insight” da economia marítima Santa-catarinense é constatável que o mar assume-se como um dos ativos estratégicos, pois se bem desenvolvido, se bem planeado, se bem implementado, dará um contributo de grande importância para o desenvolvimento de Santa Catarina.

De acordo com a reportagem da RTC em maio de 2017 a Localidade da Ribeira da Barca, a pesca deixou de ser um meio confiável de sustentabilidade, pelo que apanha de areia representa um meio de subsistência para a população menos desfavorecida. Não obstante a existência de Unidade de Transformação de Pescados, a mesma não tem beneficiado os pescadores de Santiago Norte.

A limitada capacidade de agregação de valor, com particular ênfase no subsector da pesca artesanal, o reduzido envolvimento de produtores na comercialização dos seus produtos e deficiente organização e representatividade das estruturas associativas e os elevados custos operacionais de produção, são alguns dos constrangimentos enfrentados pelos profissionais ligados ao mar.

A limitada capacidade de agregação de valor, com particular ênfase no subsector da pesca artesanal, o reduzido envolvimento de produtores na comercialização dos seus produtos e deficiente organização e representatividade das estruturas associativas e os elevados custos operacionais de produção, são alguns dos constrangimentos enfrentados pelos profissionais ligados ao mar.

Precavendo obviamente para questões relacionadas com o financiamento do híper cluster Local, mormente na captação de investidores/financiadores não há cluster.

Turismo

Turismo

Analisando os dados do INE, resultado da pesquisa da oferta turística em Cabo Verde e por concelho percebe-se que o concelho está longe de ser considerado um destino turístico tendo em conta o número muito insignificante de alojamentos turísticos. Santa Catarina em 2016 tinha apenas (1 hotel), (1 pensão), (1 pousa) e apenas (1 residência turística) em exercício. Resumindo, o Concelho contava apenas com 4 estabelecimentos de alojamento disponíveis. Estes dados explica o fato de épocas de festas o concelho não dispor de números de alojamentos suficientes para hospedar os turistas que visitam o concelho em épocas festivas, nomeadamente, a festa da padroeira do concelho nossa senhora de Santa Catarina comemorada no dia 25 de Novembro e nossa senhora de Fátima celebrada 13 Maio, festas essas realizadas em dois pontos importantes do concelho.

Apesar de pouco estabelecimentos um número significativo de turistas visitaram município em 2016. Os dados apontam que cerca de (1.746) Hospedaram nos estabelecimentos nos concelhos com um total de dormidas de (3.989). Para além dos turistas que tinham como destino o Concelho há aqueles atravessaram o centro da cidade tendo como destino final o concelho do Tarrafal vizinho de Santa Catarina. Os dados apontam que durante o ano de 2016 (4.678) escolheram Tarrafal como destino e esse mesmo número gerou um total de dormidas de (14.086).

Atrativos Turísticos Naturais 

Monte Afonso

Este monumento natural está localizado a sudeste do município de Santa Catarina, à entrada da cidade de Assomada, sobre a Ribeira/vale de Fonte Lima e de Mato Limão. Trata-se de resto de um cone vulcânico antigo, com 656 metros de altitude, de cor avermelhada devido às ações da natureza e do homem. O seu perfil longitudinal e a sua vertente com forte inclinação constituem potencialidades para escalada e montanhismo.  

Monte Grande de Boa-Entrada

É um relevo de destaque em Santa Catarina, situado a este da cidade de Assomada. Possui cerca de 704m de altitude, com a forma de uma pirâmide, quando avistada em Nhagar. Dele irradiam as ribeiras de Boa-Entrada e a do Mato Limão, sendo a primeira verdejante, contrastando com o roxo no cimo deste Monte.

Miradouro de pedra Branca

Pedra Branca é uma localidade situada na zona de Figueira das Naus, na zona Este, a 10km da Cidade de Assomada, freguesia e concelho de Santa Catarina. 

A sua altitude é de 848m e num percurso em direção ao Tarrafal permite contemplar cordilheiras montanhosas, intercaladas entre várias ribeiras, que se aparentam a “Ribeira dos Dinossauros”.

Monte Brianda

Localizado no centro-oeste de Santa Catrina, sobre a parte terminal da Ribeira dos Engenhos (Ribeira de Águas Belas), constitui um atrativo de relevância para contemplação para quem percorre a Ribeira de Águas Belas até à foz, do topo de Achada Grande de Rincão ou da zona de Ribeirão Manuel.

Rocha Fundino em Achada leite

Trata-se de uma falésia situada no litoral de Santa Catarina a noroeste, mais concretamente em Achada Leite. O atrativo é de fácil acesso, quer seja a pé ou de carro, a partir de Tomba Touro e da zona de Ribeira da Barca, respetivamente.

Gruta de águas belas

Situa-se no oeste de Santa Catarina, mais concretamente, na foz da Ribeira dos Engenhos, aproximadamente, a 2km para Sul de Achada Leite. Esta Ribeira possui uma vista panorâmica atrativa e faz parte desta paisagem natural uma caverna/gruta com dupla abertura, de dimensões diferentes: lado maior aceda à praia e a menor ao oceano.

Praia de Charco

Localiza-se a noroeste de Santa Catarina na contígua baía da Ribeira da Barca. É uma praia de pequena dimensão e em estado de degradação, devido à extração de inertes. Porém, apresenta a sua singularidade, devido à água cristalina e sem sinais de poluição à vista. 

Baia/porto de Rincão

Localiza-se no litoral oeste de Santa Catarina. A harmonia entre a terra e o mar, dois elementos cuja forma lhe deu o nome, marcada pela singularidade.

Baía de Angra

Localiza-se a norte da cidade de Assomada, mais concretamente na zona de Ribeira da Barca. É uma baía em forma semicircular e dispõe de uma praia de areia fina e preta, mar de água límpida e cristalina, ausente de qualquer sinal de poluição à vista, aprazível para atividades de lazer e recreio.

Cascata de Água Caída

Este atrativo natural situa-se a noroeste da cidade de Assomada, aproximadamente a 16 km, na zona sobranceira da Ribeira da Barca. 

Num país de clima muito árido, a presença de água corrente desta Cascata constitui uma singularidade, assim como, a sua beleza cénica e paisagística. 

Trata-se de um lugar com elevada potencialidade isotérica, se admitir que o homem sempre tem procurado espaços naturais, nomeadamente, onde há presença de águas correntes para contemplação e satisfação espiritual.

Parque natural de Serra Malagueta.

Trata-se de uma área protegida, localizada entre os municípios de Santa Catarina, Tarrafal e S. Miguel sobre um dos pontos mais altos do país (1064 metros de altitude). Predomina o manto de eucalipto e pinheiros, resultantes das diversas campanhas de reflorestação ali levadas a cabo.

Poilão e Bacia Hidrográfica de Boa – Entrada                         

Trata-se de uma das maiores e a mais velha árvore de Cabo Verde, estimando cerca de 900 anos, localizada na Ribeira de Boa-Entrada, a leste de Santa Catarina. Já no séc. XIV, os navegadores portugueses fizeram referência a esse monumento nos seus escritos

Barragem de Saquinho

A barragem de Saquinho localiza-se a norte da Cidade de Assomada, na Ribeira de Tabugal. É uma barragem recém-inaugurada  (2014), que dispõe uma certa quantidade de água armazenada, o que tem contribuído para a alteração da paisagem local, surgimento de um microclima ameno e presença da avifauna.

Ribeira de Tabugal 

A zona de Tabugal está compreendida entre Águas Podres, Charquinho e Tabugal, constituindo uma sub-bacia hidrográfica, com água permanente, que facilita a prática continuada de agricultura de regadio de forma tradicional. A paisagem verde é dominante no vale. Tabugal, pelas suas condições naturais e atividades socioeconómicas, foi um ponto privilegiado de encontro, intercâmbio e relações amigas. 

A agricultura, lavagem de roupa, banho e lazer, são motivos da procura do vale, daí a razão de ser um excelente ponto de trocas de conhecimentos, memórias, valores morais, usos e costumes. O seu acesso não é fácil, por ser um vale muito profundo, mas a paisagem ali existente convida aos aventureiros desafiarem a natureza e conhecê-la.

Ambiente

Ambiente

Santa Catarina, integrado no desenvolvimento do País, seguiu as orientações e cumprimento pelos dispositivos que orientam o desenvolvimento de proteção ambiental. Em referência, O Plano Ambiental Municipal I e II (PAM 1 e 2), o Plano Diretor Municipal e Estudos dos Resíduos Urbanos bem como O estudo do Parque Natural de Serra Malagueta, são documentos de excelência e de política de proteção ambiental no concelho.

O domínio do ambiente, segundo o Estatuto dos Municípios, é atribuição do Município que visa:

- Promoção de medidas, acções e programas de protecção e conservação da Natureza;

- Promoção de acções, campanhas e programas de arborização e reflorestação e de criação de espaços verdes;

- Protecção e conservação do património paisagístico e urbanístico municipal;

- Promoção e apoio de medidas de protecção dos recursos hídricos e de conservação do solo e da água;

- Disciplina e controle de acções e actividades susceptíveis de emitir fumos, gazes e cheiro, de produzir ruídos, ou de constituir factores de insalubridade;

- Medidas tendentes à formação e educação para o ambiente.

Cultura

Cultura 

Santa Catarina é um concelho que a cultura sempre esteve presente em vários momentos da sua existência, manifestando-se em várias formas, desde a música, o teatro, a tabanca, na dança, no artesanato, na gastronomia e em várias outras manifestações culturais.

Cultura aqui e em todo Cabo Verde muitas vezes é considerado aquele que menos recebe do orçamento e atenção do governo e consequentemente em todos os concelhos de Cabo Verde, uma questão que dizem respeita, também, à Santa Catarina.

Santa Catarina é um concelho com grande riqueza e diversidade culturais. Os hábitos e costumes da sua população estão bem patentes nas festas tradicionais, nas tradições de produção vária: de olaria, de cestaria, de esteira, de tecelagem; na sua própria tradição agrícola, especialmente no domínio da fabricação do "grogue"; nos seus atrativos gastronómicos; no seu passado histórico, ilustrado pelas revoltas ocorridas em Ribeirão Manuel e Engenhos, de entre outros aspetos culturais. Todos constituindo atrativos interessantes para o desenvolvimento de mercado de turismo cultural no concelho.

Aliás, o concelho constitui um «laboratório cultural» segundo os especialistas. Importa contudo, que sejam tomadas medidas para a preservação, recuperação e valorização do património histórico e cultural a fim de atrair visitantes.

A cultura santa-catarinense na sua riqueza e diversidade, se for explorada como potencialidade turística e preservada, pode contribuir e muito para o desenvolvimento do turismo no Concelho de Santa Catarina. Dada a variedade de aspetos culturais do concelho, apenas se refere de seguida, ainda que de forma superficial, alguns dos seus aspetos mais marcantes: comemoram-se no concelho várias festas tradicionais em devoção a vários santos consagrados pela religião dominante, a Igreja Católica Apostólica Romana. Qualquer dessas festas tem o poder de atrair pessoas de vários pontos da ilha de Santiago, para não falar dos santa-catarinenses que vivem na diáspora.

A mais importante de todas as festas tradicionais é assinalada a 25 de Novembro e é dedicada a Santa Catarina, a padroeira do concelho. A festa é rija em todos os cantos do concelho mas é na cidade de Assomada que tem maior notoriedade. Nessa altura regressam muitos emigrantes, trazendo mais brilho às comemorações.

Pela importância que detêm no contexto cultural do concelho, as datas de comemoração dalgumas destas festas, podem muito bem servir de elemento de atracão turística se forem divulgadas a nível da comunicação social, das agências de viagem e operadores turísticos nacionais e estrangeiros através de meios de informação como brochuras e desdobráveis com informações pertinentes e completas. 

Santa Catarina é um concelho de profundas tradições africanas. Desde os grupos de Batuque, ao profundo dialeto Crioulo, passando pelos frequentes desfiles de Tabanca, e os trajes tradicionais ainda usados por muitos Santa-Catarinenses, nuances do continente africano podem ainda ser encontrados em cada canto do Concelho. Se se quiser passar por uma verdadeira experiência cultural, assista-se a uma das muitas festas municipais, passe-se uma tarde visitando uma pequena povoação, ou jante-se e passe-se a noite numa casa rural cujos residentes normalmente apreciam sobremaneira acolher visitantes por módico preço. 

Atrativos Culturais Materiais 

Miradouro Cruz de picos

Esta infra-estrutura está localizada logo à entrada da cidade de Assomada, sobre o vale de Fonte Lima, cujo elemento de destaque é uma grande Cruz, que assinala a entrada da cidade.

Possui uma forma circular exatamente para que o visitante tenha uma ampla bacia visual e vista panorâmica, permitindo contemplar toda a cidade de Assomada, Vale de Fonte Lima, Ribeira dos Engenhos e as mais salientes formas de relevo do Município, e por último, a vista parcial do vulcão do Fogo. 

O espaço é utilizado pelos munícipes, quer no período de manhã, quer à tarde para atividades físicas, pois, a sua localização permite ao visitante beneficiar de uma temperatura amena influenciada pela brisa do vale, mas também pelo efeito marcante da altitude na diminuição de temperatura.

A cidade de Assomada e seu Centro Histórico

A cidade de Assomada é um núcleo urbano que evoluiu de uma antiga vila (fundada em 1912), localizada sobre um planalto de aproximadamente 500 metros de altitude a noroeste da ilha de Santiago, quando se fez a transferência da sede do concelho de Santa Catarina de Tarrafal para este planalto. 

As cidades sempre foram centros de grandes atrações, motivando correntes turísticas culturais, devido aos valores patrimoniais dos conjuntos arquitetónicos, as visitas recreativas a monumentos, igrejas, museus, exposições, vida cultural e atmosfera da cidade. 

Igualmente, os aspetos recreativos como fazer compras, assistir entretenimentos, saborear gastronomias, assistir festivais, manifestações noturnas, juntam-se para tornar as cidades como atrações muito compósitas e nichos apropriados para o turismo cultural. 

A cidade de Assomada na sua malha urbana possui elementos patrimoniais materiais e imateriais, o que leva esta urbe a ser um atrativo por excelência.

Praça Gustavo Monteiro

Tem a forma retangular e localiza-se em pleno Centro Histórico mesmo em frente do edifício camarário e no seu lateral está a Igreja Nossa Senhora de Fátima, Centro da Juventude e Centro Cultural Norberto Tavares, ambos edifícios com elevados valores patrimoniais, históricos e arquitetónicos. 

Trata-se de um atrativo de fácil acesso, pois, a sua forma retangular faz com que seja atravessado por ruas paralelas e perpendiculares, garantindo a segurança dos peões que queiram usufruir da mesma. 

Nesta praça estão os elementos decorativos, tais como dois bustos/estátuas de Amílcar Cabral e Pe. Luís Allaz, jardins, assentos, o que a torna um atrativo com algum simbolismo e potencialidade para lazer e recreio. 

   

Busto do padre louis Allaz e de Amílcar Cabral

Trata-se de dois monumentos que testemunham duas figuras de destaque para o desenvolvimento de Santa Catarina e de Cabo Verde. 

O Simbolismo que carregam, tanto no campo religioso, bem como na história de libertação nacional valorizam a paisagem cultural da praça onde se localizam: a praça Gustavo Monteiro.

Por exemplo, o Padre Louis Allaz é uma importante personalidade na história da igreja católica em Cabo Verde ao contribuir para a dinamização do catolicismo local, bem como na educação de jovens no concelho ao fundar uma escola paroquial, com destaque para o desenvolvimento inteletual feminino.

 

O Busto de Amílcar Cabral representa a memória de uma personalidade histórica internacional, com forte simbolismo e peso na história cabo-verdiana, sobretudo, quando associada à história da luta de libertação nacional.

Centro Cultural Norberto Tavares

Trata de um antigo edifício da Fazenda e repartição dos Correios, atualmente Centro Cultural Norberto Tavares, situado em pleno centro histórico, em frente à Rua Gustavo Monteiro. Está bem conservado e constitui um ponto de visita para os nacionais e estrangeiros.

  

Mercado Municipal Antigo

O Mercado Municipal de Assomada é um espaço comercial de tradição antiga, localiza-se na extensão da rua que passa à frente do Museu Cultural Norberto Tavares, denominada de Avenida Gustavo Monteiro. 

É um dos mercados mais antigos da cidade, inaugurado em 1931, após do desmantelamento de outro ainda mais antigo sito na localidade de Cutelo, onde funciona atual talho municipal. Hoje constitui um espaço comercial, onde se possa encontrar variedades produtos agrícolas, testemunhando as potencialidades do concelho para agricultura.

 

 Mercado novo Municipal

Localizado na Zona de Achada Riba, fora da zona histórica da cidade foi inaugurado recentemente, após 2010. Apresenta caraterísticas arquitetónicas modernas, funcionando como um espaço multiuso, pelo que ao contrário do mercado antigo, o visitante pode adquir roupas, calçados, carnes e pescados.

Edifícios da Câmara Municipal

Situado em pleno centro histórico da cidade de Assomada, em frente à Praça Gustavo Monteiro. 

O edifício singulariza-se pela sua arquitetura e harmoniza-se com os outros na sua redondeza: antiga Escola Grande à Sul, Enfermaria e a Igreja Nossa S. Fátima à Oeste, Museu Norberto Tavares à Este.

Antiga Escola Grande, atualmente Biblioteca Municipal

Localizada no centro histórico da cidade é um património arquitetónico, com caraterísticas marcadamente coloniais, sendo que na parte traseira vê-se os beirais cobrindo as duas varandas e escadas de acesso.

      

Antiga Enfermaria, atual Centro de Saúde

É um edifício com valor patrimonial, localizado no centro histórico da cidade, construído antes da Independência Nacional (1948), pelo Governador João de Figueiredo para Enfermaria Regional e, atualmente desempenha as funções da saúde. 

O que mais o marca como um atrativo é o seu traçado arquitetónico colonial e sua harmonia com outros elementos da paisagem histórica da cidade.

 

Casa lubrano

Situado em pleno centro histórico é um edifício com várias portas grandes na parte dianteira, típicas das casas utilizadas para atividades comerciais no passado. 

As várias portas facilitavam de certo modo a circulação dos fregueses, que podiam chegar simultaneamente em grandes números. 

Hoje, o edifício alberga o comércio, apesar de seu valor patrimonial e a sua localização estratégica são aspetos importantes.

“Quintalona”, atual Museu de Tabanca

Localiza no vale de Chã de Tanque, a Oeste da cidade de Assomada, aproximadamente a 5 km de distância. 

O edifício está em bom estado de conservação, é visitado por nacionais e estrangeiros, pois, é atravessada pela estrada municipal que liga a cidade de Assomada a povoação de Rincão.

O que mais atrai o visitante no edifício é a sua “grandiosidade” e os traços da sua arquitetura da época em que foi construída, que se distingue das modernas.

Casa dos pais de Amílcar Cabral

Localizada na Zona de Achada Falcão, um pouco a Norte da cidade de Assomada. É um edifício singular, quer pela sua arquitetura da época colonial, quer pelo seu valor histórico, associado à memória do líder da libertação nacional que ali passou parte da sua infância. 

Atualmente, é usado como alojamento de uma família, apesar da iniciativa do Instituto de Investigação e Património Cultural em reabilitá-la e transformar no “Museu dos Combatentes”. 

Estas e outras caraterísticas fazem dele um património cultural, logo um atrativo que deve integrar no roteiro turístico cultural nacional, apesar de necessitar de restauro.

Casa Grande da família nhô Germano

Este edifício situa-se ao norte da cidade de Assomada, mais concretamente, em Achada Falcão, em frente à Igreja Nha Santa Catarina. 

A designação “Casa Grande” está sempre associada aos antigos ricos proprietários agrícolas em Santa Catarina, cuja posse de grandes extensões de terras constitui um estatuto identitário, pelo que esta moradia também não está isenta.

Os seus traços arquitetónicos típicos da época colonial constituem singularidades no meio em que se encontra, onde há construções modernas, pelo que é ali que reside seu valor turístico, que pode ser complementado com o conhecimento da história dos familiares a que pertenceram.

Casa Grande no Telhal dos Engenhos (Casa nhô Ruba)

Localiza-se nos Engenhos, a Oeste da Cidade de Assomada, uma dos mais férteis vales do concelho. 

Este edifício é um dos mais antigos do concelho de Santa Catarina. Assim como as outras casas senhorias espalhadas pelo mundo rural no concelho, o que marca esse edifício é também a sua grandiosidade e os traços arquitetónicos tipicamente colonial, num vale que cujas habitações são diariamente modernizadas como reflexo de muita emigração. 

O edifício apresenta também potencialidade para ser transformado em produto turístico comerciável, sobretudo se for reabilitada, dando lhe a função de pausada.

Casa Grande de luísa, atual Espaço Jovem de Cruz Grande

Trata-se de uma antiga residência de uma das mais ricas proprietárias da Zona de Achada Falcão, situada em Cruz Grande, ao Norte da cidade de Assomada. 

Segundo informação, a quando das antigas Revoltas em Ribeirão Manuel este espaço serviu de presídio para aqueles que tinham participado.

Este edifício é um dos patrimónios rurais por excelência, pois preserva os traços da arquitetura portuguesa, bem como a memória às antigas “Casas Grandes” no território ultramarino.

Igreja de nossa Senhora de Fátima

Este monumento religioso localiza-se em pleno centro histórico da cidade de Assomada e tem a sua frente o edifício da Câmara e a Praça Gustavo Monteiro. Trata de uma construção antiga da época colonial mandada erigir entre 1947 a 1949, sendo nesse último ocorreu a sua inauguração. 

Os seus traços arquitetónicos são marcantes, e vendo para sua fisionomia atual a partir da vista de cima, destacam-se, sobretudo as duas torres, uma na parte dianteira, ou no lado traseiro. 

É um espaço de culto de referência dos citadinos e muito tem contribuído para manutenção da fé no local, onde se encontra em bom estado de conservação. Nela realizam-se as atividades.

Igreja de nha Santa Catarina

É um monumento religioso situada em Cruz de Cima, na cabeceira da Ribeira de Boa-Entrada, podendo ali chegar à pé ou de carro. Apresenta traços arquitetónico da época colonial, construída no século XIX. 

Dados apontam que foi a primeira paróquia localizada no concelho e ali se festeja Nha Santa Catarina a 25 de Novembro, Santo padroeiro do concelho. 

A sua arquitetura e a comemoração do Santo Padroeiro constituem atrativos que motivam os visitantes nacionais e internacionais, logo um potencial para turismo cultural e religioso.

Capela de Santa Terezinha

É um património religioso situado a noroeste da Cidade de Assomada, mais concretamente em Ribeirão Manuel. 

O edifício apresenta os traços de uma arquitetura simples e moderna, se comparada com os outros estabelecimentos religiosos no município. 

Neste espaço comemora-se a festa de Santa Terezinha, no dia 01 de Outubro.

Destaca-se pela sua localização, pois estando junto ao atrativo dois elementos singulares, onde se possa observar: um memorial símbolo da Revolta de “Rubom Manel” que aconteceu em Outubro de 1910 e o majestoso Monte Brianda, que simboliza a defesa da Cidade.

 

Capela de Santa Ana

Um monumento religioso de simples traços arquitetónicos, localizados em Achada Lém a poucos metros da Estrada Nacional da primeira classe (EN1), que liga o concelho ao Norte da Ilha de Santiago. 

Capela de nossa Senhora de Lurdes

É um monumento religioso de traços arquitetónicos simples situado a nordeste de Santa Catarina, em Figueira das Naus. É de fácil acesso e encontra-se em bom estado de conservação. 

Nela se festeja Nossa Senhora de Lurdes no dia 11 de Fevereiro, missa rezada pelo Bispo da Diocese de Santiago, um natural da zona, atualmente promovido ao cargo de Cardeal pela Santa Sé.

O simbolismo religioso, a paisagem natural e mais outros elementos juntam para se formar uma paisagem cultural atrativa de que a capela faz parte.  

 Capela de nossa Senhora da Graça

Situada no vale de Chã de Tanque, a oeste da cidade de Assomada é um monumento religioso de pequena dimensão física, de fácil acesso, com uma arquitetura única, mas com grande dimensão espiritual se associar ao simbolismo religioso ao Santo associado: Nossa Senhora da Graça.

A paisagem natural onde se localiza os traços culturais locais (tabanca), a existência de um museu, a morabeza da população somados aos traços arquitetónicos desse monumento criam um a paisagem cultural típica da zona, pelo que deve ser integrado no roteiro cultural.

Capela de Santo André

É um património histórico de caráter religioso, localizado a sudoeste da cidade de Assomada, no vale dos Engenhos. Trata-se um edifício antigo, bem conservado e com caraterísticas às outras capelas da época.

A sua singularidade está associada ao simbolismo religioso: a comemoração do Santo André no dia 30 de Novembro, marcada pela missa e outras atividades religiosa.

Monumento Revolta Ribeirão Manuel

É um monumento cultural localizado a norte de Assomada, em Ribeirão Manuel, a oeste de Achada Falcão.

O monumento arrasta consigo a memória, isto é, foi erigido em homenagem aos rendeiros que recusaram pagar rendas dos terrenos, o que originou alguns tumultos com as autoridades da época. Assim, é símbolo da resistência dos rendeiros e dos escravos que aconteceu em 1910. 

Este monumento tem grande capacidade para atrair turistas, pela memória que preserva e, por si só, a partir de um guia podem ser transformados numa oferta turística cultural.

Artesanato, Centros de produções e Exposições

As artes sempre se têm despertado interesse dos indivíduos, quer sejam nacionais ou internacionais, dependendo, sobretudo da perceção cultural dos mesmos. 

Os processos produtivos, a extração e matérias-primas e o objetos resultantes em mercadorias somam para se transformarem em recursos turísticos pelo poder atrativo que desencadeiam. 

Olaria de Fonte lima e de Achada Galego

Esta atividade realiza em Fonte Lima, um Vale situado a oeste da cidade de Assomada e zona de Achada Galego, respetivamente. Trata-se de uma arte antiga no concelho, em que produzem diversos objetos: Bindes, potes, vasos, entre outros.

A atração resume-se aos objetos expostos, aos processos de produção e aos meios de produção

praça 13 de Janeiro

Situa-se para fora do Centro histórico de Assomada, mais concretamente ao lado dos correios e do Gabinete Técnico Intermunicipal, zona de Pobretãozinho, onde foi construída entre as décadas de 1990 e 2000. 

O nome “praça 13 de Janeiro” tem algum significado histórico para o país se for associada ao dia da liberdade (13 de janeiro), daí um atrativo com um valor histórico-cultural.

parque Infantil de Achada Riba

Este equipamento de lazer está localizado a poucos metros do centro histórico, próximo ao centro comercial Cálu e Ângela, a maior de Assomada.

Centro Comercial Cálu e Ângela

Situada na zona de Achada Riba, junta aos condomínios – Casas para Todos. É um edifício de arquitetura moderna, de dois pisos, sendo na parte inferior alberga a parte de minimercado e superior uma loja de eletrodoméstico e um ginásio.

Polidesportivo de nhagar

É um equipamento urbano coletivo, localizado a poucos metros do centro da cidade, na localidade de Nhagar 

Atrativos culturais Imateriais

O Batuque

Batuque - é um género performativo complexo que envolve percussão, poesia, canto e dança. O repertório é constituído por cantigas em crioulo, acompanhadas por percussão polirrítmica realizada com as mãos num idiofone formado por uma pequena almofada ou pano enrolado designado por «tchabeta», dançada de forma vigorosa e virtuosa (torno) por uma ou mais dançarinas e com menor frequência por dançarinos. O Batuque é típico da ilha de Santiago e ainda hoje a sua presença reduz-se a esta ilha. É um género que manifesta a presença africana, e retrata as convivências sociais. O batuque nasceu com o homem cabo-verdiano e apesar da tentativa do regime colonial em proibi-lo, conseguiu resistir e vem sendo praticado cada vez mais com muita força na ilha de Santiago principalmente em ocasiões comemorativas

A Tabanca

È uma forma de expressão cultural praticada nas ilhas de Santiago e do maio e reflete a origem da nossa cabo-verdianidade - a miscigenação proveniente das culturas europeia e africana. No festejo da tabanca existem vários rituais que são respeitados como é o caso da capela que é um espaço muito importante para qualquer grupo de tabanca, onde se realiza os cerimoniais «sagradas», nomeadamente o Toki de salva, o roubo do Santo e por vezes interrogatório aos ladrões, momentos importantes na festividade da Tabanca. O Toki de salva é o momento em que se efectua a comunicação com o Santo patrono do grupo, através das batidas cadenciadas nos tambores, do cerimonial das varas «sagradas» e da oração (reza cantada) etc. Esse é o momento em que se presta culto e se pede a protecção divina. Toda a sequência dá a ideia de um verdadeiro ritual africano, mas na realidade é uma «encenação» do rosário com figurações: os batimentos de tambores correspondem às Ave Marias e Glórias. Antes do ritual dos beijos, costuma-se rezar padres - nossos de oferenda ao santo padroeiro. Além do período festivo, fazem – se as salvas quando morre algum cativo da Tabanca, as quais tem lugar no sétimo dia depois do enterro». O roubo do Santo é executado pelos ladrões da Tabanca, embora o Santo encontra-se, normalmente, sob vigilância dos guardas na corte. Há um espécie de encenação entre quem vigia e quem rouba o Santo. O Santo, representado por uma bandeirinha branca com uma cruz vermelha no centro e uma vara de marmeleiro com uma fita vermelha atada numa das pontas, é vendido na casa da Rainha do agasalho ou do Rei de bandeira.

Em regra, estes últimos mantêm a compra do Santo por setes anos consecutivos. Esse ato desencadeia uma série ações e animações que dão continuidade aos festejos. Nas épocas em que não se comemora a Tabanca, guardam – se na capela todos os objetos que fazem parte do cortejo, exceto a indumentária que fica ao cuidado da pessoa que a utiliza. Os grupos de Tabanca têm, regra-geral alguma economia, designadamente terrenos que cultivam, milho, feijão e outros produtos armazenados.

 Funaná

O funaná é um género musical, surgiu no meio rural que inicialmente abarcava somente a ilha de Santiago. Esse estilo antigamente era tocado com instrumentos como gaita e ferro, animando, assim, as festas populares e religiosas. Possui um ritmo mais acelerado do que a coladeira. É um género muito próximo do continente africano que apareceu graças ao acordeão introduzido no país pelos portugueses para acompanhamento nas missas e apropriado posteriormente pelos habitantes desta ilha para as suas canções. O funaná é dançado com cadência própria e conexa ao ritmo musical.

O Teatro

Teatro é um termo de origem grega que designa simultaneamente o conjunto de peças dramáticas para apresentação em público onde é utilizada a arte de representação por um ou vários atores que apresentam uma determinada história que desperta na plateia sentimentos variados. Essa forma de manifestar em Cabo Verde é representada de acordo com a sua realidade sócio – económica. Toda a vivência e convivência do país e mais concretamente em Santa Catarina são projetadas no teatro de forma que as mensagens passam. A temática tem muito a ver com os problemas que assolam a sociedade cabo-verdiana como é o caso do uso de álcool, gravidez na adolescência, o uso de drogas, combate ao HIV- SIDA, a violência doméstica entre outras temáticas. Em Santa Catarina existem vários grupos de teatro de várias zonas do concelho que anualmente reúnem em festival de teatro para esporem as suas peças

Festas de Romarias e Folclore

O concelho de Santa Catarina preserva fortemente as tradições da cultura cabo-verdiana e da ilha de Santiago em particular. 

Estas tradições se manifestam de várias formas, tais como: música, dança, gastronomia, vestuários e festas de romarias e folclore. Sobre os dois últimos destacam-se três festas de peso: Festa de Nhâ Santa Catarina (25 de Novembro); Festa de Nossa Senhora de Fátima (13 de Maio); Festa da Tabanca (início de Maio a finais de Junho).

A primeira é uma festa de cariz religiosa celebrada a 25 de Novembro em todo o concelho, cuja Santa Padroeira é Santa Catarina, apesar do espaço de culto é na igreja do mesmo nome, sita em Cruz de Cima, na cabeceira da Ribeira da Boa-Entrada.

Nesta festa dois lados o caraterizam: o sagrado que consiste na reza da missa e procissão pelas artérias do bairro onde situa a igreja, geralmente celebrada pelo Bispo da Diocese de Santiago, reúne vários fiéis do canto do país e a diáspora cabo-verdiana; e a parte profana destaca-se a vinda dos emigrantes e organiza-se geralmente um conjunto de eventos, tais como: desportivo, musicais, feiras das artes e gastronomia. 

Os diversos eventos realizados são atrações culturais e, quando articulados com os operadores turísticos, pode gerar uma corrente turística municipal. 

De abrangência espacial menor, mas quase nos mesmos moldes (sagrado e profano), temos a festa de Nossa Senhora de Fátima, comemorada no 13 de maio, centralizada sobretudo na cidade. 

A igreja de Nossa Senhora de Fátima é o palco onde se desenrola todos os rituais religiosos, terminando com lado profano na cidade e nos arredores (Gil Bispo, Achada Galego, Furna e João Dias) .

Festas Tradicionais Municipais.  

Quadro. outras festas tradicionais municipais

 

Datas

Designações da Festa

Localidade

11 de Fevereiro

N. Sra. de Lourdes

Figueira das Naus

Fevereiro

Cinzas

Todo o Concelho

Março/ Abril

Páscoa

Varias localidades

1 de Maio

S. José Operário

Serra Malagueta

13 de Maio

N. Sra de Fátima

Assomada

31 de Maio

Imaculada Coração de Maria

Ribeira da Barca

29 de Junho

S. Pedro

Rincão

5 de Julho

Coração de Jesus

Palha Carga

26 de Julho

Santa Ana

Achada Lem

15 de Agosto

N. Sra. Da Graça

Chã de Tanque

1 de Outubro

Santa Terezinha

Ribeirão Manuel

25 de Novembro

Santa Catarina

Todo o Concelho

30 de Novembro

Santo André

Engenhos

Género

Género

Distribuição da população por sexo e grupos etários

De acordo com os resultados preliminares do Censo 2010, da responsabilidade do Instituto Nacional de Estatística (INE), a população do Município de Santa Catarina é de cerca de 43.297 habitantes; destes, 46.8 por cento (%) são homens e 53.2% são mulheres, sendo que das mulheres cerca de 11,475% se encontram no período fértil dos 15 a 49 anos de idade. O número da população com mais de 65 anos de idade é de 3.133 pessoas e, dentre estas, 1.211 são do sexo masculino e 1.922 do sexo feminino.

Os referidos dados mostram que cerca de 69,6 % da população santacatarinense tem menos de 15 anos, sendo que 36,6 % são do sexo masculino e 33% do feminino. Na faixa etária dos 15 aos 24 anos de idade, 26,7% são do sexo masculino e 23,9% do feminino. Na faixa etária dos 25 aos 34 anos de idade, 15,6% são do sexo masculino e 12,4% do feminino. Na faixa etária dos 35 aos 64 anos de idade, 15,8% são do sexo masculino e 22,3% do feminino. 6% dos homens tem mais de 65 anos de idade, enquanto 8% das mulheres tem mais de 65 anos.

 

Estado civil

 

Quanto ao estado civil, segundo os dados preliminares do Censo em referência, 55,9% dos homens são solteiros, 14,8% são casados, 20,7% vivem em união de facto, 7,6% estão separados, 0,2% são divorciados e 0,8% são viúvos. Quanto às mulheres, 42,1% são solteiras, 14,9% são casadas, 23,0% vivem em união de facto, 15,3% estão separadas, 0,2% divorciadas e 5,2 viúvas.

 

Taxa de emigração e imigração por sexo

 

Nos últimos 5 anos anteriores a 2010, registaram-se em Santa Catarina 1.895 emigrações, de entre as quais 918 de homens e 976 de mulheres. E registaram-se cerca de 799 imigrações, de entre as quais 604 do sexo masculino e 195 do feminino. No que se refere ao saldo migratório, dos 1.096 que efetuaram remessas de dinheiro, 314 são homens e 781 mulheres.

Violência Baseada no Género (VBG)

 

De acordo com os dados do Gabinete de Apoio à Vítima (GAV), sedeado na esquadra da Polícia Nacional de Santa Catarina, foram denunciados durante o ano de 2010, até ao final do terceiro trimestre, 409 casos de Violência Baseada no Género (VBG). Quase exclusivamente as denúncias são feitas por vítimas do sexo feminino.

Segundo a Rede Sol (Rede de Atendimento às Vítimas de Violência Baseada no Género), o concelho de Santa Catarina apresenta os números mais elevados de VBG, imediatamente seguido pelo concelho da Praia.

Os dados relativamente a situação de homens e mulheres no Município de Santa Catarina, dá-nos a conhecer a realidade numa prespetiva de género, e a partir daí identificar os fatores que estão na origem dessas desigualdades, bem como traçar planos de actuação, rumo ao empoderamento das mulheres e à igualdade de género no Concelho.

Apesar de alguns avanços no que diz respeito á luta pela igualdade de género e empoderamento das mulheres os dados (Censo 2010, INE) mostram que falta muito ainda para se fazer, o concelho de Santa Catarina é o município do país com maior desequilíbrio de género em termos populacionais e o município com maior número de vítimas de VBG.

Em termos Demográficos, existe um claro desequilíbrio de género em desfavor dos homens, o que representa uma diferença de quase 10 pontos percentuais, mas a proporção de crianças, adolescentes e jovens na idade dos 0 aos 34 anos do sexo masculino é maior do que do sexo feminino. Isto, porque o nascimento de mulheres é superior ao dos homens e o número de mortalidade tanto infantil, como na idade adulta, nos homens é superior ao das mulheres, o que justifica uma maior percentagem do número das mulheres em relação aos homens a partir dos 34 anos de idade.

No que respeita à distribuição da população por áreas económicas, notam-se grandes desequilíbrios entre homens e mulheres. Na área do comércio informal e retalhista é praticamente exercida por mulheres, e na da construção civil é realizada quase exclusivamente por homens. Relativamente à agricultura, apesar de não haver uma disparidade tão vincada, também se nota que são as mulheres as que mais se dedicam a esta atividade.

O desemprego e a pobreza ainda têm cara feminina, as mulheres continuam a desempenhar os trabalhos ligadas a setores informais, e a um rendimento monetário inferior ao dos homens.

No que diz respeito às doenças sexualmente transmissíveis, o concelho de Santa Catarina regista mais mulheres diagnosticadas com VIH do que homens, fundamentalmente por razão dos comportamentos sexuais promíscuos destes últimos. Mas também por elas frequentarem mais as estruturas de saúde, permitindo uma mais eficaz deteção da doença.

Uma das causas do insucesso escolar feminino tem a ver com a gravidez precoce nas mulheres, os dados mostram que 50% destas tem a sua gravidez antes dos vinte anos de idade, uma idade em que se encontram no período escolar (ensino secundário) o que lhes dificulta o aproveitamento, originando ainda um número elevado de iliteracia. Quanto ao pré-escolar, existem mais raparigas do que rapazes, já nos ensinos Básico e Secundário, existe um desequilíbrio menor entre os rapazes e raparigas. No Ensino Superior o número de rapazes ocupava uma ligeira posição de liderança, segundo os dados de 2010, uma situação que, ao que supomos, se terá alterado nos últimos anos. Já no Ensino Profissional (e ainda segundo os mesmos dados), as raparigas ocupavam uma posição dianteira.

Muitas das mães são solteiras ou separadas, fator este que as obriga a ocupar a dianteira na chefia dos agregados familiares, uma posição que é exercida pelos homens apenas em situações de matrimónio ou de união de facto. As mulheres são normalmente consideradas chefes de família quando são solteiras, separadas ou viúvas, e a maioria das mulheres revelam ser separadas.

No que se refere à emigração e imigração, as mulheres são em maior número que os homens, o que mais tem contribuído para o saldo migratório no concelho.

As atividades comunitárias, à semelhança das outras também são mais desempenhadas maioritariamente pelas mulheres, especialmente no que concerne à arrumação de locais para reunião, limpeza de sede de associações e, ainda, na preparação de festas .

ENDEREÇOSede
LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
REDES SOCIAISLinks
NEWSLETTERSubscreva

    ENDEREÇOSede
    Edif. IFH Bloco C-R/C, Achada Santo António - Praia
    (+238) 262 36 34
    anmcv35@sapo.cv
    Delegação
    Avenida Baltazar Lopes da Silva, Mindelo – São Vicente
    (+238) 353 04 36
    LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
    https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
    REDES SOCIAISLinks
    NEWSLETTERSubscreva

      Visitas desde 15/02/2022: 43525

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology