Sotavento Mosteiros

Mosteiros foi criado em 1991, quando o antigo Concelho do Fogo foi dividido em dois.
Órgãos Eleitos
Contactos
Contexto Histórico
Situação Socioeconómico
Actividades Económicas
Turismo
Ambiente
Cultura
Género
Órgãos Eleitos

Órgãos Eleitos


Constituição da Câmara Municipal do círculo eleitoral de Mosteiros

Fábio Humberto da Rosa Alves Vieira
Maria Eugénia Alves Veiga
Jaime José Monteiro Junior
Nelson Pina Rodrigues Pires
Janice Graça Soares Rosa


Constituição da Assembleia Municipal do círculo eleitoral de Mosteiros

Lúcio Miranda Fernandes - PAICV
Manuela Barbosa Lopes - PAICV
Francisco Furtunato Paulino Barbosa Amado - MPD
Isildo Gonçalves Gomes - PAICV
Adilson Andrade Martins - PAICV
Maria Santa Lopes de Pina - MPD
Suely da Veiga Barbosa - PAICV
Joaquim de Jesus Garcia Rodrigues - PAICV
Carlos Alberto Gonçalves Lopes - MPD
Morgado de Barros - PAICV
Avelina Vaz Gomes - PAICV
Maria do Rosário Afonso de Andrade - MPD
Porfírio Miranda Martins - PAICV

Contactos
Contactos

 

Endereço: Cidade de Igreja, C.P Nº 1

 

Telefone: (+238) 283 10 38

                  (+238) 283 10 39

 

Fax:           (+238) 283 16 80

Contexto Histórico

Contexto histórico do Município

À semelhança do município de São Filipe, o povoamento dos Mosteiros esteve ligado à produção agro-pastoril. É um concelho predominantemente agrícola, cujas culturas dominantes são: o café, a uva, o algodão e a purgueira.
A produção do algodão permitiu o desenvolvimento da indústria têxtil, nomeadamente, no fabrico de panos. O café do Fogo e o vinho (“Manecon” e outras marcas), produzidos em Mosteiros e Chã das Caldeiras respectivamente, têm vindo a ser um cartão-de-visita da ilha e um dos produtos mais exportados.
A sociedade mosteirense embora seja mulata é fortemente marcada pela presença dos brancos, ou seja, estes constituem a classe dominante (inventário dos recursos turísticos).
 

Criação
O concelho de Mosteiros foi criado em 1991, pela lei nº 23/IV/91, de 30 de dezembro, que entrou em vigor a 2 de janeiro de 1992. Porém, torna-se necessário dizer que a vocação autárquica e a tradição histórica-administrativa de Mosteiros são anteriores a 1991. Em 1917 foi criado através do decreto nº 3 108-B de 25 de junho e em 1974 pelo Decreto Provincial nº 10, de 11 de julho.

Localização Geográfica
O município dos Mosteiros localiza-se a Norte da ilha do Fogo e ocupa uma área de 85 Km2. É limitado a Norte e Leste pela orla costeira, a Oeste pelo município de São Filipe e a Sul pelo município de Santa Catarina. Trata-se de um município criado em 1991, através da Lei nº 23/ IV/9, II série de 30 de Dezembro. O Município dos Mosteiros comporta uma única freguesia, a de Nossa Senhora da Ajuda, que se encontra  dividido em 16 localidades, a saber: Vila de Igreja, Queimada-Guincho, Mosteiros-Trás, Fajãzinha, Feijoal, Ribeira do Ilhéu, Sumbango, Murro, Rocha-Fora/Ligeirão, Atalaia, CovaFeijoal, Pai-António, Cutelo-Alto, Corvo, Achada-Grande e Relva.
O Município do Mosteiros tem 476 km2 de superfície e apresenta a forma quase que circular. A maior parte do território Mosteiros encontra-se coberto de lavas resultantes de uma série de erupções vulcânicas que aconteceram ao longo dos tempos, de diferentes idades em termos de escalonamento e de tonalidade.
Em termos geomorfológicos o município é caracterizado pela existência de profundos vales entalhados, com vertentes íngremes e recortados por barrancos. A arriba costeira é abrupta, com desníveis consideráveis, com excepção da zona de Fajãzinha e algumas praias, onde são definidas plataformas rebaixadas contíguas à orla marítima.
Apenas a localidade de Fajã nos Mosteiros possui superfície relativamente plana. As superfícies das encostas circundantes são talhadas por leitos de várias ribeiras, por vezes bastantes profundos. Apesar da existência de afloramentos rochosos, vertentes íngremes, arribas e correntes de lavas, que constituem limitações naturais deste território, pode-se verificar que parte considerável do território municipal apresenta áreas de cultivo.
O Concelho de Mosteiros, em virtude das suas características geomorfológicas, altitude e disposição dos ventos dominantes, possui características climatéricas muito próprias, com destaque para microclimas. Devido ao seu aspecto orográfico, verifica-se a predominância de microclimas áridos e semi-áridos que, à medida que aumenta a altitude, aumenta a pluviosidade e, consequentemente, a diminuição da aridez.
A parte do litoral é árida, ao contrário da zona alta em que se verifica uma vasta área florestal enquadrada na zona húmida. No cômputo geral, o município dos Mosteiros abrange as zonas: áridas na faixa litoral, semi-árida na faixa sub-litorânea e  sub-húmidas nas zonas de maior altitude (inventário dos recursos turísticos).

População
O Município de Mosteiros tem uma população residente de 9.336 habitantes, correspondendo a 1,8% da população de Cabo Verde e 26,2% da população da ilha do Fogo, o que configura uma densidade populacional, aproximadamente, na ordem dos 110 hab/Km2, sendo que 48,1% são do sexo masculino e 51,9% do sexo feminino. A idade média é de 27,8 anos, sendo que 27,5 anos para homens e 31,1 anos para mulheres, inferior à média nacional (29 anos). O índice de masculinidade situa-se na ordem dos 92,5%, abaixo do índice nacional que é de 100,5%.
De notar que segundo as projeções demográficas 2010-2030 do INE, o nosso município apresenta uma taxa de crescimento natural de 1,24%, com uma taxa de crescimento médio anual de -0,3% e uma esperança média de vida à nascença de 71,8 anos para os homens e 80 anos para as mulheres (Diagnóstico territorial do município de Mosteiros).

Situação Socioeconómico

Situação socioeconómico


O Município de Mosteiros é composto por 2.309 agregados, com uma dimensão média de 3,8 pessoaspor agregado, um valor acima da média nacional que é de 3,6 pessoas, grosso modo 61,4% dessas famílias são chefiadas por homens e 38,6% por mulheres.
No que toca às condições de vida dos mosteirenses, indicadas no Gráfico 6, de acordo com os resultados do inquérito-multiobjectivo contínuo (IMC, 2016: INE), podemos constatar que 84,3% dos agregados familiares de Mosteiros tem acesso à eletricidade, 59,7% tem acesso à água canalizada, 92,3% possui casa de banho, 74,6% usa contentores como meio de evacuação dos resíduos sólidos, 40,9% usa lenha e 54,6% usa o gás butano para preparar as refeições. Importante sublinhar que o município de Mosteiros concluiu recentemente a cobertura a cem por cento quer da rede pública de água quer da rede de energia.
No que tange ao acesso às telecomunicações, conforme os dados do Gráfico 7, anterior representado, 53,1% dos alojamentos possui internet, 11,8% tem acesso a TV por assinatura, 30% tem telefone fixo, 63,1% tem TV, 22% têm acesso a computador e 14,3% tem um tablet.

Habitação
O verdadeiro quadro urbano é caracterizado por vários núcleos de casas que se estendem desde Mosteiros Trás a sul até Fajãzinha, abrangendo a Igreja e o Sumbango. Não existe uma figura do que se poderá classificar como bairro degradado nem construções clandestinas. Entretanto, no âmbito da habitação familiar, poderemos identificar famílias com menos posse e, consequentemente, condições de habitação precária. Todas as terras no perímetro urbano e na área de expansão são privadas, donde as casas serão feitas em terreno próprio ou adquiridas pelos construtores das habitações. O novo padrão de habitação da actualidade é visível nas construções recentes, sendo muito grande a diferença entre as casas antigas e as actuais. A zona de Queimada constitui um exemplo típico desta desigualdade.

Água
As melhorias registadas, sobretudo nos centros urbanos permitem às famílias maior acesso à água potável.
A Cidade da Igreja evoluiu a partir da pequena vila da Igreja, inicialmente uma pequena aldeia costeira no entorno da igreja paroquial. No centro da cidade predominam casas acabadas bem alinhadas envolvendo uma pequena praça, e, as casas reflectem o nível económico e financeiro dos seus moradores. Mas em regra dominam casas com bom acabamento o que ostenta sinais visíveis de uma elevada participação da Diáspora na valorização urbana.

Saneamento
De acordo com o PDM, no Município dos Mosteiros não existem ainda sistemas adequados de evacuação das águas residuais, como a rede de esgotos e uma Estação de Tratamento das Águas Residuais – ETAR. Por esta razão, a maior parte das águas residuais são lançadas ao redor das casas.

Saúde
A existência de um sistema de saúde estável e funcional é condição sine qua non para o progresso social e económico de qualquer sociedade. O setor de saúde em Mosteiros vem conhecendo importantes melhorias nos últimos tempos, todavia persistem ainda um conjunto de constrangimentos e insuficiências que mereçam uma atenção especial por parte das autoridades de saúde, nomeadamente a desproporção nos rácios médico/hab. e fermeiro/hab., a operacionalização do laboratório de Raio-X, o funcionamento do laboratório de análises clínicas, a realização de consultas de especialidades, etc.
Do ponto de vista das infraestruturas, o município de Mosteiros dispõe de uma moderna Delegacia de saúde com capacidade de internamento de 32 camas distribuídas em sectores como a pediatria, maternidade, enfermaria, isolamento, psiquiatria e observação. Ainda conta com quatro (4) unidades sanitárias de base e duas (2) farmácias, sendo uma privada e a outra pública.
O rácio médico por habitante no município é de 1/9336 habitantes, muito abaixo da média nacional que é de 8 médicos por 10.000 habitantes. O rácio enfermeiro por habitante 6/9336 habitantes, o que também está abaixo da média nacional que é aproximadamente 13/10.000 habitantes. Devido à carência de médicos especialistas, normalmente as consultas de especialidades são feitas no Hospital Regional do Fogo e no Hospital Central na Praia.
Não se conhece nenhum estudo que avalia o grau de satisfação da população sobre o sistema de saúde no município, por isso não dispomos de dados estatisticamente significantes para proceder uma inferência analítica sobre possíveis problemas do sistema de saúde.

Educação
A educação é um dos principais pilares de desenvolvimento de qualquer sociedade e Cabo Verde e o nosso município não foge à regra. Não conseguiremos promover o desenvolvimento do nosso município se não apostarmos fortemente na educação/formação da nossa juventude.
No município de Mosteiros 82,6% da população com mais de 15 anos de idade é alfabetizada, sendo 88,9% homens e 76,8% mulheres. No mesmo sentido, 6,4 é o número médio de anos de frequência de estudo, no entanto 8,8% da população nunca frequentou um estabelecimento de ensino, 5,3% frequenta ou frequentou o pré-escolar, 1,3% possui o nível de alfabetização, 53,5% possui o ensino básico completo, 37,5% possui o nível secundário, 0,7% tem o ensino médio e 1,4% da população é formada a um nível superior.
 

Comparativo das taxas em % de alfabetização

 

Cabo Verde

Mosteiros

População Alfabetizada C/ + 15 Anos

87,6

82,6

População Alfabetizada C/ + 15 Anos (Masculino)

92,5

88,9

População Alfabetizada C/ + 15 Anos (Feminino)

82,8

76,8

População Juvenil Alfabetizada (15 – 24 anos)

98,6

97,1

População Juvenil Alfabetizada [15 - 24] anos (Masculino)

98,6

96,6

População Juvenil Alfabetizada [15 - 24] anos (Feminino)

98,6

97,5

 Fonte: IMC 2016 | INE

Os dados do gráfico supracitado indicam que nas idades compreendidas entre os 15 e 24 anos, 97,1% é alfabetizada, sendo 96,6% homens e 97,5% mulheres.

A oferta de uma educação com elevados padrões de qualidade pressupõe a combinação de um conjunto de condições e recursos, mormente a existência de infraestruturas educativas modernas, professores qualificados e uma relação pedagógica escola-família profícua e de cumplicidade, indispensável à criação de um ambiente socioeducativo favorável ao processo ensino aprendizagem e à maximização do sucesso escolar.

 

Distribuição dos Recursos Humanos

 

Níveis

 

Nº de Professores

 

Masculino

Feminino

Total

Pré-escolar

0

29

29

Ensino básico

34

32

66

Ensino secundário

25

18

43

Fontes: CMM, 2018 |MED, 2018 |ESM, 2018

 

Os dados da Tabela acima indicam uma boa representação feminina no corpo docente no município de Mosteiros. Se por um lado, as mulheres são dominantes na educação pré-escolar, ocupando todas as vagas de lecionação (dos 14 jardins infantis apenas dois (2) são privados, os restantes estão sob a égide da Câmara Municipal). Por outro lado, nos demais níveis de ensino (EBI e Ensino Secundária) a diferença é muito residual, ou seja, uma diferença de 2 professores no EBI e 7 no ES. No cômputo geral, com base nesses dados podemos apurar que há uma supremacia feminina a nível da docência no nosso município.

 

Pobreza

Apesar dos avanços conseguidos pelo município nos últimos tempos, a mitigação da pobreza afigura-se um dos grandes desafios de governação de Mosteiros. Neste sentido, é fundamental que haja políticas públicas consistentes e transversais que visam sobretudo o crescimento da economia local e geração de emprego sustentável e qualificado. Só por via da criação de rendimentos para as famílias é possível mitigarmos a pobreza.

De acordo com o IDRF 2015, o município de Mosteiros é o segundo município de Cabo Verde que mais reduziu o índice de pobreza em relação ao QUIBB 2007, na ordem dos 19%. No entanto, estamos acima da média nacional que é 35 %. Ainda, de acordo com o mesmo estudo, 7,8% da população vive no limiar da pobreza extrema (considera-se o limiar da pobreza extrema as pessoas que na ótica da despesa estão abaixo de 40% da mediana, o que fixa esse valor em 48.216 ECV/ano, referência aplicada no IDRF 2015, um valor abaixo da média nacional que é de 10,6%. E cerca de 45,2% vive no limiar da pobreza (considera-se o limiar da pobreza as pessoas que na ótica da despesa estão abaixo de 60% da mediana, o que fixa esse valor em 72.325 ECV/ano, referencia aplicada no IDRF 2015). pobreza global e extrema é mais acentuada entre os homens do que as mulheres no município de Mosteiros. Na mesma linha de análise, as despesas médias anuais, na ótica do consumo das famílias de Mosteiros, situam-se em 486.857 ECV e 119.798 ECV por pessoa. Comparando-os com os dados nacionais, esses valores situam-se em 667.291 ECV e 166.216 ECV, respectivamente.

Actividades Económicas

Actividades económicas

O desemprego constitui um problema estrutural para a nossa economia e, como tal, pressupõe medidas de políticas integradas entre os principais stakeholders de desenvolvimento económico do país, máxime o governo, as autarquias locais e o setor privado. Em particular, no município de Mosteiros embora a taxa de desemprego seja abaixo da média nacional, o desemprego não deixa de constituir um problema social e que carece de políticas públicas que visam a sua mitigação. O gráfico a seguir mostra a evolução da taxa de desemprego no município de Mosteiros entre 2012 a 2016.
O desemprego afeta sobretudo a faixa etária dos 15 a 24 anos de idade e é maior entre as mulheres. Segundo os dados do Gráfico 10,entre 2012 a 2016, houve um aumento crescente da taxa de desemprego jovem, registando-se apenas uma descontinuidade em 2015. Em relação à representação da taxa de desemprego por sexo, a tendência nacional também se verifica no município de Mosteiros, isto é, há uma maior incidência do desemprego entre as mulheres, na ordem dos 9,3%. Neste contexto, torna-se necessário afirmar, que à semelhança do que acontece no panorama nacional, uma boa percentagem das mulheres do município de Mosteiros enquadra-se na categoria do trabalho reprodutivo.


Agricultura/ Sivicultura
A agricultura é a base da economia dos Mosteiros. Predomina a agricultura de sequeiro, tanto nas terras baixas como nos andares superiores, dominando as culturas de minifúndio, em pequenas parcelas, muitas vezes cercadas de muro de pedra solta. As culturas de regadio são feitas em pequenas parcelas, tiveram um grande incremento com a instalação da água de rede pública.
No quadro das condições ecológicas da ilha de Fogo, o Concelho dos Mosteiros possui boas potencialidades agrícolas pela existência de microclimas, favoráveis à fruticultura, leguminosas, pecuária e silvicultura.
Nos primórdios do povoamento o algodão era seguramente a cultura dominante, mas esta planta deixou de ser cultivada na ilha do Fogo. O café e a vinha, as frutas tropicais como a papaia, manga, goiaba e as mediterrânicas como as uvas e marmelos passaram a ser as principais produções destinadas ao mercado.
A viticultura constitui uma imagem da revolução da agricultura nos Mosteiros e na ilha do Fogo. Existe uma Adega Cooperativa na Chã-das-Caldeiras que foi modernizada com ajuda de uma ONG italiana e com apoios da Cooperação Técnica Alemã.
A agricultura de regadio, com a utilização do sistema de rega gota-gota, configura-se como uma alternativa à melhoria das condições de vida das pessoas. No entanto, o elevado custo da água de rega constitui um obstáculo de peso.

A cultura do café, foi, no passado, uma das principais actividades de rendimento dos Mosteiros e da ilha do Fogo. Actualmente existe uma Fábrica de descasque, torrificação e embalagem do café do Fogo. Contudo, as culturas precisam de melhorias substanciais e de renovação das plantas. Existe uma Associação dos Produtores de Café da Ilha do Fogo, denominado “PROCAFÉ” com sede nos Mosteiros, com o propósito de melhor defender os interesses dos agricultores e produtores do café.
A silvicultura tem merecido especial atenção da Câmara Municipal e do Governo Central. O perímetro florestal de Monte-Velha situado a mil metros de altitude constitui um dos maiores perímetros florestais do país, tendo sido criado nos finais da década de quarenta do século XX, possui um plano de renovação das plantas e a cintura florestal tem crescido nos últimos anos com novas plantações na estação das chuvas.


Pecuária
A pecuária constitui uma actividade complementar da agricultura, o gado bovino, caprino, suíno bem como as aves de capoeira são as espécies às quais os criadores dispensam maior atenção. Existe uma forte tradição de produção de queijo, sobretudo de caprinos, destinada ao mercado.
À semelhança dos produtos agrícolas, também os da pecuária são comercializados tanto na Cidade da Igreja como em São Filipe e uma parcela importante é exportada para a ilha de Santiago através dos “rabidantes”.


Comércio
O setor privado desempenha, cada vez mais, um papel chave nas economias hodiernas, com especial enfoque na criação do emprego e crescimento económico. A nível do município de Mosteiros, pela pequenez do seu mercado, ainda o setor privado não se desenvolveu ao ponto de gerar muitos empregos e fomentar o crescimento da economia local. Neste sentido, é fundamental que haja políticas e incentivos locais às micro e pequenas empresas que atuam nos setores-chave de desenvolvimento do município, principalmente no domínio da agroindústria e serviços ligados ao turismo.
De acordo com o inquérito às empresas levado a cabo pelo INE em 2015 (IAE 2015), o município de Mosteiros dispõe de 157 empresas de categoria “micro e pequenas empresas”. De sublinhar que de entre essas empresas, 63,7% enforma o grupo dos minimercados/mercearias e bares e cerca de 7,6% constitui as empresas de transformação do milho, café, vinho, corte e costura, venda de combustíveis, videoclube, clínica dentária, escola de condução, jardim infantil, entre outras.
Não obstante a existência dessas empresas, o papel do setor privado na criação de emprego e promoção do desenvolvimento económico do município é ainda incipiente. As empresas existentes apresentam algumas insuficiências e fragilidades a nível organizacional e funcional, por exemplo, muitas nem sequer têm contabilidade organizada.
Neste contexto, um dos principais desafios do futuro será, por um lado, a organização do setor privado local e, por outro, a geração de incentivos e mecanismos de financiamento para o fomento das iniciativas empreendedoras, tendo em consideração que um dos principais empecilhos para a promoção dessas iniciativas tem sido fundamentalmente o financiamento. Como respostas, a Câmara Municipal criou recentemente o Gabinete municipal de empreendedorismo e tem na forja a criação de fundo municipal que será destinada exclusivamente para o financiamento de iniciativas empreendedoras no município.


Pesca
O sector da pesca é de importância vital para o desenvolvimento do Município. Para além de ser um sector que gera outros empregos, vem dando um contributo valioso a nível da segurança alimentar, existindo nos Mosteiros seis zonas piscatórias. Este sector padece de uma atenção especial no que se refere a melhoramentos das embarcações, equipamentos com redes e motores de popa e da própria conservação do pescado.
A pesca no Concelho abrange essencialmente, a pesca de grandes pelágicos com a utilização da técnica de linha (pesca de fundo), e de pequenos pelágicos com recurso a redes de cerco e de e malha introduzidas pelo Projecto – Alemão/ FOPESCA, que faz captura das espécies como cavala, chicharro, palombeta.
O sector das pescas seria uma alternativa válida de exploração para o Município. O pescador dos Mosteiros, em regra, tem múltiplas funções (é, ao mesmo tempo, agricultor, empregado das FAIMO- Frentes de Alta Intensidade de Mão-de-Obra e construção civil, etc.).

Turismo

Turismo

O turismo rural é uma potencialidade que poderia ser explorada com algum proveito para o município. Contudo, a sua promoção tem de passar, forçosamente, por algum investimento público, nomeadamente na formação de uma classe empreendedora ligada ao sector, formação, concessão de créditos e orientação dos investimentos.

 

Recursos turísticos Naturais


Perímetro florestal de Monte Velha
A Floresta de Monte Velha é um atrativo localizado a noroeste da ilha do Fogo, no andar sub-húmido e húmido da montanha que integra os municipios de S. Filipe e Mosteiros. É constituída essencialmente por mantos de eucaliptos de grande porte e espécies endémicas. Esta mancha de eucalipto, associada a outras espécies ali existentes, harmoniza-se e forma uma paisagem verdejante e atrativa, ao contrário do lado leste da ilha e do interior da Serra de Bordeira.

 

        

 

Perímetro Florestal Monte Velha. Fonte: Equipa de IRTF

A sua localização e exposição aos ventos húmidos têm garantido a exuberância desta floresta como paisagem verdejante, em consequência das precipitações ocultas. Por outro lado, as medidas administrativas implementadas para a sua gestão, como por exemplo, o repovoamento florestal, também tem garantido que esteja sempre verde, ou seja, apresenta-se em bom estado de conservação.
Das inúmeras espécies endémicas do país é ali que se encontra uma grande diversidade, sendo mais comum o Tortolho (Euphorbia Tuckeyana).
É um atrativo de acesso relativamente fácil podendo ali chegar-se partindo de S. Filipe ou de Mosteiros para noroeste, desviando pela estrada que liga a Campana de Cima e passando pela Ribeira Filipe. Estando no local e durante o percurso, tem-se uma vista panorâmica até ao litoral dos Concelhos limítrofes.

Perímetro Florestal Monte Velha

No interior do Perímetro florestal encontra-se uma antiga residência presidencial em estado de degradação que se for reabilitada valoriza o local, podendo servir de hospedagem.

 

                                   

 

Antiga Residencial Presidencial

A predominância de diversas espécies endémicas e introduzidas neste local constituem recursos para promover os diversos seguimentos de turismo de natureza, com destaque para o turismo ecocientífico, ecoturismo, turismo ambiental e de aventura. A visita a este atrativo está condicionada ao pagamento de uma taxa simbólica (100$00) e requer uma autorização prévia da autoridade gestora.

Orla Costeira dos Mosteiros
A orla costeira dos Mosteiros caracteriza-se por uma sucessão de reentrâncias, formando baías, enseadas e pontas com destaque para a Baia do Monte Vermelho, Ponta do Guincho, Ponta Queimada, Ponta do Guincho, Ponta da Lagoa Atráz, Lago e Baía e Ponta do Corvo.
Ao longo da costa, destaca-se a baía do Porto dos Mosteiros compreendida entre Ponta Gil e Ponta Queimada. Ali existe a praia de “Baxo Lá”, nome atribuído pelos moradores locais.
É uma praia extensa, de areia preta, indiciando forte dinâmica das ondas, o que reúne potencial para desportos náuticos.

 

 

 

Praia de Fajãzinha
É uma praia localizada a norte da cidade dos Mosteiros, na zona de Fajãzinha. Trata-se de uma praia de pequena dimensão, de calhaus rolados. É mais utilizada pelos pescadores para lançamento e arrastamento de botes de pesca. Dispõe de um caminho pedonal, ou seja, umas escadarias até ao local.

 



Praia de “Baixo Lá”

 

                                   

 
Ambiente

Ambiente

 

A Cidade da Igreja está inserida numa ilha com vulcanismo activo, embora o vulcão esteja longe do perímetro urbano. Os riscos são iminentes no quadro de erupção vulcânica, pela manifestação de abalos sísmicos, e da necessidade de socorrer os sinistrados. Existe um serviço de vigilância sismológica e vulcânica que faz a monitorização da actividade vulcânica como os microssismos e circulação do magma, estando a gestão dos riscos vulcânicos assegurada pelo Serviço Nacional de Protecção Civil que tem uma abrangência nacional.

Outro risco potencial é a seca, que, no passado terá dizimado milhares de pessoas. O acompanhamento da seca e seus efeitos é feito de forma sistémica por vários serviços centrais do Governo abrangendo a Segurança Civil, a Agência de Segurança Alimentar, o Ministério da Agricultura e o Ministério de Saúde. No período recente os casos de seca foram mitigados através de programas de emergência com a criação de postos de trabalhos para socorrer os camponeses atingid Na estação das chuvas há o risco de ocorrência de inundações em consequência, nomeadamente, da passagem de ciclones, mas, em regra, na cidade da Igreja não se desenvolvem construções urbanas em zonas sujeitas a deslizamento de terras e arrombamentos, nem em áreas inundáveis. No entanto, algumas casas são construídas muito próximas das linhas de água proveniente da serra.

Os ventos fortes da passagem de ciclones também constituem riscos pois, apesar de serem raros, são de difícil previsão. Um outro risco a ter em conta é a subida do mar, pois há aglomerações muito próximas do mar e a uma quota muito baixa, como a zona de Fajãzinha. De lembrar que no passado a água do mar já invadiu algumas casas desta localidade.

Um risco presente são as pragas e as epidemias, as últimas pragas de grande envergadura registadas em Cabo Verde estão associadas à invasão de gafanhotos do deserto (Schistocerca gregaria) o que constitui um perigo sobretudo para agricultura se a invasão coincidir com a estação das chuvas. As epidemias também constituem situações de risco para cidade da Igreja.os, a distribuição de água por autotanques, etc.

Cultura

Cultura


Recursos Histórico-culturais


Cidade dos Mosteiros
É um pequeno núcleo urbano situado na zona ribeirinha sobre uma planície abissal, de perfil longitudinal. Esta urbe possui um conjunto de edificações desde igrejas, praças e pracetas que se harmonizam formando uma paisagem cultural.

 



Cooperativa Sodadi
Encontra-se localizada na zona de Achada Grande. É de fácil acesso, por se situar na proximidade da estrada nacional que a liga a outros municípios. Trata-se de uma empresa agrícola de produção e transformação de uvas em vinho.  
A produção é colocada tanto no mercado local como internacional. Neste local, o visitante pode apreciar o processo produtivo, visitar a adega, degustar o vinho e fazer a aquisição do vinho. Estas atividades constituem um “nicho” específico de turismo cultural, na sua vertente enoturismo.
Sobre o processo de produção, armazenagem e aquisição, bem como proporcionar aulas de culinárias. Há também oportunidade para tirar fotos; fazer filmagem e apreciar a paisagem e arquitetura local.
 
Festividades
Bandeira de em Queimada – Guincho a 06 de maio;  
Nossa Senhora de Fátima a 13 de maio em Fajãzinha;
Nha Santa Rita em Queimada – Guincho e Mosteiros – Trás a 22 de maio;
Santo em Queimada Guincho, Feijoal, Fajãzinha e Achada – Grande a 13 de junho;
São João em Queimada - Trás, Vila de Igreja e Atalaia a 24 de junho;   
São Pedro em Queimada Trás, Feijoal e Ribeira Ilhéu a 29 de junho;  
São Paulino na Vila de Igreja  a 06 de julho;
Nha Sant’ Ana ultimo domingo de junho;
Dia do Município e de Nossa Senhora de Ajuda a 15 de agosto.

Género

Género

 

No Concelho dos Mosteiros os homens constituem a maioria dos chefes dos agregados familiares. No ano 2010, 56,5% dos agregados eram chefiados por homens e, apenas, 43,5% por mulheres. Regra geral, os homens têm maior facilidade de acesso ao solo urbano para a construção, embora não exista nenhuma restrição legal para o acesso das mulheres. As mulheres chefe de família monoparentais têm mais dificuldade de acesso à habitação própria não necessariamente por descriminação, mas porque são mais afectadas pelo desemprego e pela pobreza. No entanto, há muitas mulheres que conseguem gerar o seu próprio rendimento através do comércio e nestas situações arranjam dinheiro suficiente para construir as suas habitações chegando mesmo a ter casa para renda.

ENDEREÇOSede
LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
REDES SOCIAISLinks
NEWSLETTERSubscreva

    ENDEREÇOSede
    Edif. IFH Bloco C-R/C, Achada Santo António - Praia
    (+238) 262 36 34
    anmcv35@sapo.cv
    Delegação
    Avenida Baltazar Lopes da Silva, Mindelo – São Vicente
    (+238) 353 04 36
    LOCALIZAÇÃOOnde nos encontrar?
    https://anmcv.cv/wp-content/uploads/2020/10/ilhas.png
    REDES SOCIAISLinks
    NEWSLETTERSubscreva

      Visitas desde 15/02/2022: 16124

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology

      Copyright © 2022 ANMCV. Design & Developed by Cloud Technology